Menu Busca

Economia e Setores

Mercosuper 2016: experiência de marca, promoções e personalidade no varejo

O maior evento do estado voltado para supermercadistas e varejistas de todo o país e também do Mercosul, a Mercosuper 2016 – 35ª Feira e Convenção Paranaense de Supermercados, começou hoje e promete reunir mais de 35 mil visitantes durante três dias de evento. Acompanhe com a gente as principais novidades do setor!

IMG_MERCOSUPER

Começou hoje a Mercosuper 2016! A feira, realizada pela Associação Paranaense de Supermercados (Apras), no Expotrade Pinhais, está cheia de novidades e tendências para ajudar o setor supermercadista a se fortalecer e encontrar novas soluções para os negócios. Além de cerca de 140 expositores, os visitantes podem se atualizar com os conteúdos das 37 palestras e fóruns, e mais de 50 profissionais.

O foco deste ano é “Super oportunidade para bons negócios” e viemos conferir as novidades em conteúdo e as principais tendências de produtos, serviços e tecnologias para o setor supermercadista. A expectativa é de que o evento gere R$ 450 milhões em negócios. Durante os três dias, nós da RPC estaremos presentes no evento com um estande preparado para atender a todos os visitantes.

RPC - Mercosuper - Grpcom
Rosaly Salazar, gerente comercial da RPC ao lado de Ricardo Zonta, vice-presidente da rede Condor e Mariano Lemanski, presidente do conselho de administração do GRPCOM, durante o primeiro dia da Mercosuper 2016.

Hora da verdade: a experiência de marca no ponto de venda é fator decisivo na compra

Marcas moram na mente do consumidor. Mais do que dizer algo, é importante entender como o consumidor assimila a informação. Por isso, é preciso descobrir como a sua marca será lembrada

 A plataforma de construção de marca no varejo, especificamente no supermercado, baseia-se completamente na experiência de compra. Durante a palestra Estratégia de Branding no Supermercado, Juliano Ughini, professor da Universidade Positivo, explicou que hoje o ponto de venda, embalado pela aceleração da tecnologia, tem sido posto em contraponto às plataformas de vendas online. Há quem acredite que o PDV possa vir a perder espaço no futuro. Ledo engano. Ughini nos conta que a verdade é que nunca o varejo encontrou uma oportunidade única e diferenciadora como agora.

Toda marca tem uma promessa. Lojas físicas têm a chance de fazer a entrega dessa promessa agregando muito mais valor a partir da experiência de compra ampliando o que chamamos de touch points ou pontos de contato. Mas é preciso explorá-los. A Hora da Verdade, que é o momento da decisão de compra, acontece fortemente ali, no ponto de venda. No mercado americano, é possível dizer que até 80% das vendas no varejo se dão dessa forma. Isso mostra que o consumidor está disposto a comprar, mas se for estimulado com inteligência”, afirma.

Mas como trazer boas experiências de compra ao consumidor que se propôs a entrar no supermercado? Para Ughini, a resposta é: invista não só na identidade visual, mas no que pode diferenciá-lo. Hoje, a grande maioria dos supermercadistas repete a fórmula de forma quase homogênea: dirigem toda a comunicação com o consumidor no PDV com foco no visual, esquecendo-se que os clientes anseiam por originalidade.

RPC - Mercosuper - Juliano Ughini
O que a sua marca entrega? Hoje, marcas que disputam mercado competindo pelo preço precisam rapidamente descobrir novas estratégias para se diferenciar.

Segundo o professor, cerca de 85% do que absorvermos de um ambiente de varejo, como o supermercado, acontece pela sentido da visão. “Temos aí quase 20% como uma oportunidade para trabalhar com os outros sentidos. Esses 20% pode, claro, ser o que vai diferenciar”, explica. Em mercado hipercompetitivo, que passa por momento de crise, é crucial que as marcas pensem em diferenciação. “Estes novos pontos de contato podem atuar como uma ferramenta original para que as marcas se diferenciem”.

Investir em fragrâncias, música, experiências que instiguem o paladar, por exemplo. “Por que não criar, dentro do supermercado, uma seção de vinhos com degustação, com uma música ambiente que dê trilha sonora a essa experiência? Nos restaurantes, a atuação é totalmente pensada nisso. Há pesquisas no exterior que comprovam que se o consumidor estiver ingerindo bebida alcoólica ao som de uma música lenta o consumo tende a se ampliar. Já há literatura disponível para as marcas daqui investirem em diferenciação”, afirma.

O desafio dos supermercados: agregar personalidade

Hoje, Juliano explica, o grande déficit do setor supermercadista é a dificuldade de conseguir criar uma identidade para além do preço. “Promoção é uma estratégia altamente eficiente, mas os supermercados não podem só se apoiar nela. Primeiro: as marcas acabam viciando o consumidor, que só estará no seu estabelecimento quando houver promoção. Outro ponto é que o consumidor pode não conseguir diferenciá-lo do concorrente que segue fortemente a mesma estratégia”, afirma.

RPC - Mercosuper - Branding
Afetividade, emoção e engajamento: é o que o seu cliente espera do seu ponto de venda todos os dias. Não basta só trabalhar com bons produtos, é preciso entregá-los de uma forma original.

Isso não significa que a estratégia de diferenciação por meio do preço esteja errada, mas, explica o professor, pode estar incompleta. “Atuar com estratégia de preço não é desculpa para não criar conexão emocional com o consumidor. Mesmo marcas que competem pelo valor podem ter identidade e gerar apego emocional. Mas é preciso investir e comunicar o DNA da marca, ainda que junto do preço”, finaliza.

Palestra magna: “10 medidas contra a corrupção”

Para abrir o primeiro dia do evento, a Mercosuper trouxe o Dr. Deltan Dellagnol, Procurador da República e coordenador da Força-Tarefa do MPF na operação Lava-Jato. Durante a palestra, Dallagnol explicou  porque a corrupção pode ser tão danosa à sociedade e aos empresários. “Os países com maiores índices de corrupção são aqueles que apresentam baixa competitividade de mercado. A corrupção enfraquece a democracia também por isso: não permite que um país cresça e expanda seu mercado”, discursou.

Para isso, junto da sociedade civil organizada e do MPF, Dallagnol encabeçou a campanha “10 medidas contra a corrupção”, que prevem mudanças na forma do trato de crimes que envolvam corrupção pelo judiciário brasileiro. “O corrupto e o corruptor mantem o círculo de corrupção porque as penalidades são baixas. Nós queremos mudar essa realidade. A corrupção precisa representar um crime de alto risco”, afirmou durante a palestra.

No final, Dallagnol convidou os empresários e visitantes da Mercosuper 2016 a se envolverem com a causa. “Quanto tempo do seu dia você pode dedicar ao combate à corrupção? Exponha as 10 medidas que propomos no seu estabelecimento, disponibilize para seus clientes o acesso à assinatura, engaje a sua comunidade nesta luta. É possível mudar este cenário”, finalizou.

Para conhecer a proposta do MPF, basta acessar o site 10 Medidas, em que há formulários de adesão disponíveis ao público e mais explicações sobre o projeto.

Amanhã trazemos mais novidades do segundo dia do Mercosuper 2016. Fique com a gente e vamos juntos!

 

Artigos relacionados

0 respostas para “Mercosuper 2016: experiência de marca, promoções e personalidade no varejo”

Deixe uma resposta