Menu Busca

Cases

RPF Group mira mercado externo e quer atingir 30% de exportação em 2022

Com novo posicionamento de marca, RPF Group trabalha ainda na expansão da produção e foco no consumidor final em vários estados brasileiros

Com pouco mais de 20 anos no mercado, a RPF Group – Rainha da Paz Foods – nova marca do tradicional frigorífico Rainha da Paz, grupo de agronegócio com foco na suinocultura com sede em Ibiporã, Norte do Paraná, vem abrindo espaço também no mercado externo. A empresa celebra recordes, como a produção de 106 mil toneladas de proteína suína ao ano. O montante responde por 3% da produção brasileira, segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABAPA). 

A empresa paranaense, quarta maior produtora de proteína suína do estado e que emprega 1.600 pessoas, também vem atendendo a uma demanda crescente do consumidor. Com a alta da carne bovina – que acumula aumento de 30% em 12 meses segundo dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – o abate de suínos vêm atingindo recordes e há uma procura maior do consumidor pela carne.

Outro aspecto que pesa é a valorização da proteína suína no Brasil, ressalta o gerente comercial da RPF Group, Marcos Pezzutti.

 

 

 

“Trabalho há 36 anos no setor. Naquela época, o consumo no Brasil de carne suína por pessoa era de 9,5kg. Hoje, já nos aproximamos de 15 kg. Várias organizações e associações de suinocultura fizeram um trabalho de novo olhar para a carne suína, derrubando muitos mitos sobre ela.”

 

 

Pezzutti lembra ainda que, com a valorização da gastronomia no Brasil e a ascensão da profissão de chef, a carne de porco também foi elevada a outro patamar. “A área gourmet hoje trabalha mais com a carne suína.” 

Criada nos anos 2000, a empresa, então Frigorífico Rainha da Paz, começou apenas com o abate de suínos e hoje atua com toda a cadeia produtiva, com fábrica de ração para os animais e moagem de grãos. Em 2022, Pezzutti fala que haverá expansão no volume. A ideia é passar dos atuais 2.100 animais abatidos/dia na planta principal para 2.400  no próximo ano, e de 1 mil na filial para 1.200/dia.

“De 2020 para 2021, 83% do nosso faturamento é no mercado interno. Em 2020, fechamos com 17% de exportação e estamos com 28% até agora em 2021. É possível que a gente chegue a 30% até o final de ano, patamar que queremos manter em 2022 aliado ao aumento do volume nas plantas”.  O foco é nos países do Leste Europeu, Mercosul e alguns na Ásia. 

A matriz do grupo, em Ibiporã, Norte do Paraná. Foto: Divulgação.

De acordo com Pezzutti, outro fator que impulsiona as exportações de carne suína no Paraná é o fato de o estado ter se tornado recentemente, acompanhando Santa Catarina, um local de animais livres de vacinação, ou seja, o que indica o controle total da febre aftosa. “Isso elevou o status do estado e permite que a gente possa exportar para países que tenham esse tipo de exigência”, explica.

“Com isso, conseguimos ficar soberanos junto com Santa Catarina, e teremos um acréscimo de mais de 30% de pretendentes a comprar o produto do Brasil”. 

No mercado interno, a RPF atende a todos os estados brasileiros. Em regiões como São Paulo e Nordeste, o atendimento é focado em matéria-prima. No Paraná, há uma presença forte da marca no consumidor final nas grandes redes supermercadistas. No primeiro trimestre de 2022, a ideia, segundo Pezzutti, é ampliar a marca Rainha Alimentos no estado do Rio de Janeiro, voltado ao consumidor final. 

Nova marca e produtos 

Com reposicionamento de marca, empresa modificou nome e embalagens. Foto: Divulgação.

Além de trabalhar com os cortes tradicionais preferidos pelo consumidor (como pernil, paleta, costela, lombo e torresmo), a RPF Group lançou recentemente uma linha com cortes mais compactos para facilitar o dia a dia na cozinha. Uma linha de festas chega ao mercado em dezembro com quatro novos produtos: alcatra suína temperada, lombo temperado, copa-lombo e pernil com osso. Outra mudança recente foi o reposicionamento da marca, com a mudança do nome e reformulação nas embalagens. “Tivemos uma aceitação muito boa com os parceiros de matéria-prima e com o mercado em geral”, frisa Pezzutti. 

Cozinha à La Rainha

O projeto Cozinha à La Rainha surgiu na RPC, em 2021, para a Rainha Alimentos. A ideia é promover a arte de cozinhar a carne suína de maneira simples e com muito sabor. Durante o ano, a marca compartilhou nas redes sociais diversas receitas e dicas de culinária para desmitificar o uso da carne suína.

A praticidade, a acessibilidade e a saudabilidade da carne suína são os três principais pontos ressaltados pelas receitas. O objetivo é fomentar o consumo em todo o Paraná, ressaltando que a proteína suína custa até 40% menos na comparação com a carne bovina. Para isso, a RPC desenvolveu um projeto para a marca com vídeos de três receitas especiais.

 

A primeira foca na praticidade, ensinando a fazer um prato para o dia a dia, que fica pronto em alguns minutos. A sugestão é o medalhão suíno com mostarda e mel. A segunda é uma opção de receita acessível para as festas de fim de ano: sobrepaleta Rainha, com farofa de maracujá e crispy de couve. Já a terceira receita busca mostrar a saudabilidade, e será veiculada a partir do mês de janeiro.  Traz um prato mais leve para os dias de verão: rosbife suíno com salada caesar.

Quer ser avisada/o de novos posts via Whatsapp?

 

Leia também:

<<< Condor registra aumento e vendas com novo entreposto de carnes
<<< Setor de calçados tem recuperação após cair 30% em 2020 

 

Artigos relacionados

0 respostas para “RPF Group mira mercado externo e quer atingir 30% de exportação em 2022”

Deixe uma resposta