Menu Busca

Comportamento

Empreendedorismo, otimismo e capacidade de aprender. Leandro Karnal fala ao De Olho No Mercado

Você já viu na telinha, escutou algumas de suas frases mais famosas ou leu seus artigos por aí. Leandro Karnal é historiador, professor da UNICAMP, intelectual e formador de opinião e tem livros que figuram entre os mais vendidos do Brasil. No último fim de semana, Karnal esteve no Paraná a convite aqui da RPC e falou para o De Olho No Mercado. Entre os assuntos, empreendedorismo, otimismo e dicas para ter sucesso na vida profissional. Vamos juntos ler!

O Paraná vive um momento de otimismo! Economia em recuperação, vários setores em crescimento e oportunidades para todos. Nas próximas semanas, vamos falar muito sobre isso aqui no De Olho.  Acompanhe nossos conteúdos para descobrir o que vem por aí!

Para começar, trazemos um conteúdo muito especial! O historiador e palestrante Leandro Karnal concedeu uma entrevista ao De Olho No Mercado. Em sua passagem pelo Paraná a convite aqui da RPC, Karnal falou um pouco sobre a  “teologia do empreendedorismo”, os desafios diários de quem quer ser dono do próprio negócio e nos deu um desafio: Vamos juntos ser mais otimistas?

De Olho: O país passa por um momento de retomada, mas podemos entender que nos negócios sempre haverá algum tipo de oscilação. Pode ser uma grande crise, como a que experenciamos, ou momentos difíceis que fazem parte dos ciclos. Como manter o foco nos objetivos e olhar otimista sempre?

Leandro Karnal: O olhar otimista é fundamental porque faz você agir. O pessimismo tem a virtude do realismo, o pessimista antevê problemas e os problemas são frequentes. É importante ter um pessimista na equipe, mas no máximo um! Ele é um bom elaborador de diagnósticos, lhe dá prudência. Mas quem faz é sempre o otimista. Se fôssemos avaliar a relação custo benefício, ninguém casaria ou teria filhos. Porque o custo é sempre maior que o benefício. Então é preciso ser otimista para casar, amar, ter filhos, empreender.

Temos boas notícias neste momento. Juros em queda, inflação sob controle; nossa Páscoa já foi melhor do que no ano passado. Não estamos apenas retomando o desenvolvimento. São sinais da volta da confiança no mercado, mas mais importante do que estes índices ainda tímidos, é saber que a parte produtiva da sociedade está se descolando da política. Isso é muito bom para o Brasil. Claro que precisamos pensar sempre em como melhorar a política, mas é a primeira vez no país que isso acontece. Estas duas coisas estavam sempre relacionadas, este descolamento mostra que o Brasil real está mais forte do que o Brasil político.

De Olho: Empreender, investir, abrir um negócio: além de otimismo e conhecimento do mercado, é preciso uma boa dose de coragem. Que tipos de práticas podemos adotar para desenvolver esta coragem?

Leandro Karnal: Sou um crítico da “teologia do empreendedorismo”. A ideia mágica de que empreendedorismo é para todos é um equívoco. Nem todas as personalidades se adaptam à criatividade constante, ao desafio e à resiliência que derivam do empreendedorismo. Há muitas pessoas que encontram felicidade na repetição e na estabilidade. O empreendedor é, acima de tudo, alguém que enfrenta a resiliência diariamente e sabe inovar. Esta é uma vocação relativamente rara, temos um índice notável de fracasso em novos negócios, de pessoas que acreditaram que ter o capital e abrir uma empresa seria a solução. Há quem ache que, sendo seu próprio patrão, trabalhará menos. O que acontece é o contrário: você nunca trabalhará tanto na vida quanto tendo seu próprio negócio.

Não é uma característica do nosso país, em grandes centros de empreendedorismo acontece na mesma medida. Como exemplo, os Estados Unidos: para cada Bill Gates ou Steve Jobs, há milhares de pessoas que tentaram empreender sem ter esta vocação nata e não tiveram sucesso. Não há nenhuma ironia ou desdém em relação a isso. Pelo contrário: é só descobrir qual é a sua vontade ou sua vocação. Não há nada pior do que ter um desejo que não seja compatível com seus valores. Para empreender, não basta querer. É preciso examinar se a sua personalidade busca o desafio diário. Todos podem ter uma boa ideia em um dia, mas é muito complexo ter boas ideias todos os dias, ao longo de muitos anos.

Por outro lado, empreender é uma obsessão saudável. Inclusive para saber como transformar permanentemente, já que o universo está sempre em transformação. A sociedade tem espaço para todos os perfis de pessoas.

De Olho: Esta capacidade de empreender pode ser desenvolvida ao longo da vida? Há empreendedores natos e aqueles que se descobrem realizadores? Temos exemplos/inspirações?

Leandro Karnal: Nós, historiadores, desconfiamos da ideia de “virtude inata” ou quaisquer elementos que excluam a atividade humana. Há pessoas que, durante a infância ou a juventude, foram inclinadas a desenvolver o empreendedorismo, descobriram um gosto pelo desafio. Recentemente, li a história do fundador da Tesla Motors. Todas as dificuldades o levaram até o sucesso: ele sofria bullying na escola e, para não apanhar, em vez de ir ao pátio, ficava na biblioteca. Diante disso, entendemos que sim, é possível aperfeiçoar aquilo que temos e implementar aquilo que ainda não temos, dentro dos limites do ser humano.

Para começar este aperfeiçoamento, é preciso, antes de mais nada, superação. No Brasil isso é muito forte, o conceito de superar dificuldades ainda precisa ser amadurecido. Existe a ideia de que o estado “deve resolver”. É um vício cultural e estrutural. Sim, o estado deveria fazer mais, já que arrecada muito. Mas não podemos esperar o auxílio do estado em nossa carreira ou em nosso sonho de empreender. O empreendedor não espera o cenário ideal, ele cria.

Em todo lugar, temos pessoas que não têm nenhuma tradição ou apoio estatal e conquistam muito sucesso em seus empreendimentos, que vencem as adversidades. Nós precisamos desenvolver a cultura de estudar o sucesso, pois temos uma mania cultural de enfatizar o fracasso. Estudamos na escola movimentos fracassados, mas temos sim a vocação empreendedora no nosso país. Temos que incentivar na escola os modelos de pessoas quem deram certo em áreas sociais, políticas, econômicas e de gestão. Mostrar para as pessoas que há espaço para dar certo.

De Olho: Qual é a sua mensagem para os empreendedores do Paraná?

Leandro Karnal: O primeiro passo para fazer alguma coisa é seguir o preceito “conhece a ti mesmo”. Saiba quais são seus valores, descubra o que te faz feliz. Busque no seu passado quais são as coisas que você pode melhorar. Todas as pessoas são perfectíveis e não perfeitas. Para a filosofia, não existe o “eu nasci assim”. De onde eu parto é uma questão, aonde eu quero chegar é outra questão. Para isso é preciso ter uma estratégia. Estratégia é a capacidade de antecipar o futuro – um futuro que ninguém sabe como será. Estamos aqui porque tomamos decisões que nos possibilitaram trilhar nossos caminhos.

Se não sabemos como será o futuro, o diferencial é o conhecimento. Quem tiver maior conhecimento estratégico, mais informações de mercado para tomar decisões, vai se adaptar melhor às mudanças. Nossa capacidade de continuar aprendendo é o que determina muito de sua vida: quem quer empreender tem que ser para sempre um aluno. Nunca ache que “chegou lá”. Empreender é, acima de tudo, um aprendizado constante e duradouro.

Vamos juntos empreender? #DeOlhoNoMercadoRPC

Artigos relacionados

0 respostas para “Empreendedorismo, otimismo e capacidade de aprender. Leandro Karnal fala ao De Olho No Mercado”

Deixe uma resposta