Menu Busca

Comportamento

RPC desvenda os hábitos de consumo das mulheres paranaenses

RPC reafirma sua presença na vida de 4,1 milhões de mulheres paranaenses, 79% do total da população feminina no Paraná, e avalia as tendências de consumo.

Multifacetadas e contrariando estereótipos, as mulheres paranaenses têm um perfil diverso em todos os sentidos. é o que aponta um novo estudo desenvolvido pelo time de Marketing – Inteligência de Mercado da RPC neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

O extenso material trouxe informações do público a partir de cidades como Curitiba, Cascavel, Foz do Iguaçu, Paranavaí, Ponta Grossa, Londrina e Maringá, entre outras, para traçar um panorama geracional, tendências de comportamento e possibilidades de investimento publicitário para as marcas que anunciam na RPC

Os diferentes tipos de mulheres paranaenses

Um estudo dessa magnitude, como explica Renata Mateus, analista de inteligência de mercado e produto sênior da RPC, vai muito além de um perfil: ele destaca os hábitos de um público que representa 60% da audiência da emissora no estado.

“Todos os anos realizamos estudos para as principais datas do mercado. Mas, neste em especial, queríamos trazer alguns dados diferentes e resolvemos entender os perfis de mulheres paranaenses”, explica Renata. “Então, focamos em trazer dados que mostrem quem são as mulheres em ascensão, ou o que as mulheres mais maduras de 50 anos ou mais gostam de fazer. A ideia era mostrar os diferentes tipos de mulheres que temos em nosso estado”.

Entre os dados, ficou observado que mais da metade da audiência do g1 Paraná é de mulheres, entre 25 e 34 anos. Já no Gshow, 76% do público é feminino. Com dados como esse, complementa Renata, é possível direcionar o conteúdo publicitário de forma muito mais estratégica e assertiva.

 

 

“No g1 Paraná, temos um público das mulheres em ascensão que falamos, construindo suas vidas e carreiras. Então, produtos e serviços direcionados para esse perfil podem estar presente com suas marcas no portal: setores como educação, construção civil, produtos para casa, decoração, reformas… são muitas as possibilidades. Já para quem tem produtos direcionados ao público feminino no geral, o Gshow acaba sendo uma boa opção pela grande presença desse perfil” – Renata Mateus, analista de inteligência de mercado e produto sênior da RPC.

Divisão igualitária de tarefas é consenso

Quando observamos os diferentes perfis de mulheres, percebemos que cada um deles têm anseios e características diferentes, mas existe um ponto em comum: as mulheres paranaenses ainda desejam fortemente que as atividades de casa sejam divididas igualmente com os homens. 

“Outro dado que chamou a atenção é o nível de escolaridade, onde a grande maioria tem até o Ensino Médio apenas, mostrando o quanto ainda precisamos avançar na educação”, pondera Renata

 

8 em cada 10 mulheres acompanham a RPC

Atualmente, a RPC está presente na vida de 4,1 milhões de mulheres paranaenses. São números impressionantes, uma vez que representam cerca de 80% da população feminina do estado. 

Das mulheres paranaenses, 47% (cerca de 2,3 milhões) é representada pela Classe C e 43% (cerca de 2,1 milhões) pela classe A/B. A mulher paranaense é conectada, utiliza a internet para buscar informações sobre aquilo que viu na televisão, gosta de ouvir música e, ao contrário do que um antiquado senso comum sugere, elas gostam muito de futebol. 

“É uma das programações que elas gostam de assistir nas telas da RPC”, destaca Renata. “65% das mulheres das classes A/B torcem para algum time. Então futebol não é ‘coisa apenas de homens’ e as marcas devem ficar atentas a isso para estratégias no futuro”.

Dos times paranaenses, três se destacam na preferência do público feminino: Athletico, o time favorito em Curitiba; Operário, que divide o posto com o Corinthians em Ponta Grossa; e o Londrina, que na sua cidade natal é a equipe favorita ao lado do Palmeiras.

Resoluções principais para 2022

As mulheres paranaenses têm três realizações principais para 2022, segundo o estudo. Não necessariamente nessa ordem: 

Classe A/B: viajar; ter filhos; e/ou reformar a casa/apartamento. 

Classe C: comprar a primeira casa; reformar a casa/apartamento; e/ou comprar o seu primeiro automóvel.

Ambas as situações são oportunidades comerciais excelentes para diferentes segmentos, e o melhor é que existem diferentes formas de atrair esse público. 96% das paranaenses das classes A/B estão conectadas à internet enquanto veem TV, o que favorece uma exposição omnichannel e de consumo simultâneo; 8 em cada 10 delas estão sempre buscando mais informações primeiro na internet, isso também vale para as mulheres de 18 a 24 anos; e 75% amam estar em dia com os avanços tecnológicos.

5 mandamentos éticos das mulheres paranaenses

Por fim, as mulheres paranaenses têm diferentes opiniões a respeito do mundo em que vivem. O estudo levantou o Top 5 em cada tipo de público, a fim de entender as principais questões éticas e de princípios que rondam a vida delas.

“As mulheres paranaenses estão buscando cada vez mais o seu espaço, lutam por mais igualdade e têm grandes anseios como conquistar a casa, comprar seu automóvel e viajar. E são essas mulheres que querem se ver representadas pelas marcas”, afirma Renata.

Classe A/B – Top 5 opiniões e atitudes que elas concordam

  1. É importante respeitar as tradições e costumes
  2. Homens e mulheres devem compartilhar igualmente responsabilidades da casa
  3. Fé é realmente importante para elas
  4. A internet ajuda a planejar e reservar viagens
  5. Vale a pena pagar mais caro por produtos de qualidade

Classe C – Top 5 opiniões e atitudes que elas concordam

  1. É importante respeitar as tradições e costumes
  2. Homens e mulheres devem compartilhar igualmente responsabilidades da casa
  3. Fé é realmente importante para elas
  4. Preferem passar uma noite calma em casa do que sair
  5. Vale a pena pagar mais caro por produtos de qualidade

 

Fontes do estudo

Fonte: Kantar Ibope Media – Target Group Index – Curitiba (2015 a 2021), Foz do Iguaçu, Cascavel, Guarapuava, Maringá, Londrina e Ponta Grossa (2015 a 2021), Paranavaí (2015 a 2020) – Universo Mulheres – Dados extrapolados para área de cobertura da RPC (5.087.906).

Fonte: Kantar Ibope Media – Instar Analytics – Curitiba – Janeiro/22 –Cascavel, Foz do Iguaçu, Paranavaí, Ponta Grossa, Guarapuava – 2° Semestre 2021- Londrina e Maringá -1° Semestre 2021- Total indivíduos – Cov%, Adh%. Aff%. Dados extrapolados para área de cobertura da RPC

Fontes: Audiência – Google Analytics, média mensal, Novembro/21 a Janeiro/22. Filtro: Feminino.

 

A sua marca preparou alguma ação para o Mês da Mulher? Compartilhe com a gente!

 

Leia mais:

 

Pessoas com mais de 60 anos são oportunidade para negócios no Paraná

Artigos relacionados

0 respostas para “RPC desvenda os hábitos de consumo das mulheres paranaenses”

Deixe uma resposta