Menu Busca

Comportamento

TGI: ferramenta do IBOPE ajuda a conhecer hábitos do consumidor

Ferramenta do IBOPE Media agrupa consumidores a partir de seus hábitos e preferências de consumo e aponta canais e mensagens ideais para o impacto publicitário

O planejamento de mídia – ações e campanhas publicitárias nos diversos meios de comunicação – depende de um profundo entendimento do público a ser impactado. É preciso compreender não só as necessidades de consumo da população, mas seus desejos, os estilos de vida que adota ou almeja, hábitos e costumes. Ou seja, é preciso estudar e esmiuçar o perfil de compra de cada consumidor para melhor alcançá-lo. E é por meio das mídias que marcas e empresas estabelecem um diálogo com seu público-alvo e demonstram que mais do que suprir demandas, querem estar alinhadas com suas intenções e valores.

Para aferir e fornecer um perfil completo do consumidor, o IBOPE possui uma ferramenta inédita e extremamente eficaz na compreensão do comportamento do consumo: o Target Group Index (TGI), realizado pelo IBOPE Media.

O mecanismo de pesquisa comportamental traça os hábitos de consumo da população e permite que marcas, anunciantes e canais de mídia saibam como, quando e onde impactar seu público. O TGI é uma ferramenta com grande potencial de análise, capaz de realizar milhões de combinações e, mais do que descrever a forma de consumo, aponta opiniões e afetividades desenvolvidas acerca de empresas, produtos e serviços.

Diretor da filial curitibana do IBOPE, Rodrigo Cierco explica o funcionamento do TGI e sua contribuição para as atividades de mídia
Diretor da filial curitibana do IBOPE, Rodrigo Cierco explica o funcionamento do TGI e sua contribuição para as atividades de mídia

Segundo o Diretor da filial do IBOPE em Curitiba, Rodrigo Cierco, a ferramenta é abrangente e permite rastrear e identificar diversos públicos, hábitos e demandas: “O TGI é um estudo single source sobre o consumo de produtos, serviços e mídia, estilo de vida e características sociodemográficas. Desenvolvido na Inglaterra em 1968, chegou ao Brasil em 1999 numa parceria da Kantar Media Research (KMR) com o IBOPE Media. Durante a pesquisa, o mesmo entrevistado responde a todas as perguntas do questionário — o que permite uma análise completa de qualquer uma das informações contidas na base de dados. Com o TGI, também é possível fazer um comparativo entre os hábitos de consumo de diversos países — pois o estudo é aplicado sob o mesmo padrão — com pequenas adaptações regionais em mais de 70 países”.

Definindo clusters

 A partir do trabalho de pesquisa realizado pelo TGI foi possível reunir diversos indivíduos em grupos de consumo, que dividem particularidades comportamentais e partilham necessidades, desejos e hábitos semelhantes na hora de ir às compras. Estes grupos homogêneos são denominados clusters.

O IBOPE agrupou sua amostragem em 39 clusters, distribuídos em sete segmentos diferentes – automotivo, finanças, moda e beleza, compras, mídias sociais, tecnologia e viagem.

O TGI permite a reunião de pessoas em torno de grupos homogêneos que caracterizam tipos e comportamentos de consumo comuns a determinados indivíduos
O TGI permite a reunião de pessoas em torno de grupos homogêneos que caracterizam tipos e comportamentos de consumo comuns a determinados indivíduos

Esta segmentação permitiu identificar os tipos de demandas presentes na rotina das pessoas e apontar os públicos mais propensos a compras em determinados setores e aqueles mais receosos, sem grandes pretensões de consumo.

De acordo com Cierco, a pesquisa do IBOPE é realizada em duas etapas, em que se identificam os perfis e definem-se as preferências de consumo: “Primeiro é aplicado um questionário de mídia, que aborda informações sociodemográficas e hábitos de consumo de mídia (TV, rádio, jornais, revistas, cinema, internet e mídia exterior). Depois segue-se um questionário de produtos, marcas e estilo de vida, no qual o entrevistado fica livre para discorrer sobre suas opiniões. Nesta segunda etapa são aferidos hábito de consumo de produtos, comportamento e estilo de vida”.

Assim, é possível entender o comportamento de cada grupo, – clusters – suas necessidades financeiras, seus objetivos de consumo e, desta forma, impactá-los de modo mais efetivo, escolhendo assertivamente como atrair cada perfil de consumidor e como proporcionar-lhes exatamente o que estão buscando, dentro de seus padrões de desejo e de suas possibilidades econômicas.

Para entender melhor o nosso mercado, nós, da RPC, investimos nesta pesquisa, na qual é possível obter informações das pessoas que moram em Curitiba e região metropolitana. Em breve, também teremos informações do interior do Paraná. Com isso, o nosso mercado terá mais segurança para a tomada de decisão.

Agora, queremos saber a sua opinião: você acha importante conhecer o comportamento do consumidor? Conte para nós!

Artigos relacionados

3 respostas para “TGI: ferramenta do IBOPE ajuda a conhecer hábitos do consumidor”

  1. domingos pascoal pereira de souza says:

    Creio que esta (pesquisa) é a melhor ferramenta que podemos ter as mãos na hora de decidir de como fazer campanhas, quais os rumos a tomar, e a quem devemos nos dirigir. Quando sabemos o comportamento destes consumidores, fica um pouco mais fácil; se não for desta forma, navegamos no escuro e com riscos altíssimos de errar os nossos alvos

    • Soleana Souza says:

      É verdade, Domingos. Eu trabalho na área de pesquisa da RPC e concordo com você. A possibilidade de direcionar a mídia para pessoas conforme seus hábitos de consumo aumenta a eficácia das campanhas. Com o TGI, conseguimos identificar interesses e padrões de comportamento que indicam mercados potenciais. Conte conosco para obter essas informações!

  2. Joao Rezende says:

    O uso de databanks, dados variáveis, pesquisas e outros meios de analises comportamentais ajuda muito para entender o que o publico esta pensando, porém estas variáveis provem das perguntas feitas. O que tenho observado é que as pesquisas são indutoras de respostas. Estudar um modelo “induzido”, nos mantem dentro de um quadrilatero mental. O que vejo como profissional da área de Marketing em PDV, é que a cada dia as campanhas que oferecem surpresas, inovação, criatividade são as que resultam em grande sucesso. Certamente elas não estavam no quadrilatero estudado. As ferramentas de produção de produtos para PDV evoluiram muito e hoje se consegue produzir barato, rápido e eficazmente. Ainda tem sido o PDV, a ação pontual frente a frente com o cliente que tem trazido os melhores resultados de aumento de vendas. O TGI veio para ampliar a margem de abordagem e mais importante ainda, para saber onde se pode “pular o muro” e surpreender o cliente.

Deixe uma resposta