Menu Busca

Economia e Setores

Mercado imobiliário do Paraná dá os primeiros sinais de recuperação

Empreendedores contam que mesmo na quarentena as buscas por imóveis não param.

O setor da construção civil vivia um momento impulsionador em 2019 com o forte desempenho do mercado imobiliário. De acordo com a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) o aumento foi de 37% nos financiamentos imobiliários no país. Em 2020,  a pandemia pelo COVID-19 mexeu com o mercado  e, segundo pesquisa da ADIT Brasil (Associação Para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil), 29% dos empreendedores do setor imobiliário acreditam que o mercado deve se recuperar dos efeitos do COVID-19 nos próximos 6 a 9 meses.

Em Curitiba, o mercado de locações, principalmente comerciais, ainda deve seguir com negociações de redução de aluguéis e distrato de contratos no entanto, algumas empresas reagiram de forma positiva com aceleração na inovação em processos e tecnologias, confira nos exemplos abaixo.

Mais conforto, mais investimento no mercado imobiliário

 O lar já era visto como refúgio de um dia a dia corrido de trabalho, agora ganhou mais importância e está sendo visto como um abrigo seguro e multifuncional. O imóvel passa a ser visto como prioridade e os consumidores estão dispostos a investir mais por conforto e segurança.

de olho no mercado“O cliente está com um novo olhar para o imóvel. Está consumindo como nunca consumiu. Ele está ficando em casa e vendo a importância das áreas comuns, sacadas, boa insolação, moradias melhores e espaços de privacidade para trabalhar. Apesar da crise espera-se uma boa retomada, pois com a alta do dólar e queda da bolsa as pessoas estão voltando a apostar nos imóveis como forma segura de investimento. Em nenhum momento a procura dos leads na internet baixou, as pessoas ficaram em casa pesquisando. Quando reabrimos no final de abril, os plantões tiveram grande movimento.” Adriana Perin – Diretora da Víncere Construtora

 

imobiliaria_RPC_deolho“Particularmente, percebo um aumento na preferência por casas, devido ao medo da pandemia. Além disso, uma mudança na lógica do consumidor que antes preferia morar num lugar menor e aplicar a diferença em outros investimentos. Agora com a necessidade de se passar mais tempo em casa e a menor rentabilidade em outros investimentos, as pessoas estão preferindo investir mais para morar num lugar melhor.”  Henry Fuckner – Diretor de Lançamentos –Imobiliária J8

 

Menos Burocracia, mais inovação

Os desafios demandam dos empresários a busca por soluções inovadoras para continuar desenvolvendo bons negócios e sair na frente dos concorrentes.  Tour virtual 360°, assinatura eletrônica de documentos, videochamadas antes eram usadas como forma alternativa. Durante o isolamento se transformaram no principal canal de comunicação e vendas. Os resultados dessas mudanças surpreenderam positivamente. Os empresários, antes da crise, postavam em processos mais tradicionais. A maioria já existia, mas o que mudou com a crise foi a intensidade na utilização e uma nova cultura nas empresas.

 

De-Olho-No-Mercado-Gustavo-Base-Sul“A forma de relacionamento virtual com o cliente deve vir para ficar. Antes o cliente necessitava entrar no apartamento decorado e pegar o folder de papel. Hoje, com as ferramentas de demonstração e tour virtual já fechamos vendas 100% online. O nosso conceito na Basesul é simplificar a vida, partindo do princípio que as coisas boas da vida não são coisas. Mas ao mesmo tempo o ser humano é um ser de pertencimento e quer ter o seu espaço.” Gustavo – BASESUL Empreendimentos

 

De-Olho-No-Mercado-Imobiliárias-Henry02“As vendas online vieram para ficar, por isso a importância de investir em bons materiais de divulgação para que o cliente possa ter a experiência de conhecer o imóvel e negociar de qualquer lugar do mundo. Henry Fuckner – Diretor de Lançamentos –Imobiliária J8

 

As visitas virtuais já vinham sendo utilizadas, mas após as restrições às visitas se tornaram uma grande aliada dos corretores de imóveis para superar a distância e concretizar as vendas.

Segundo Henry, a Imobiliária J8 também realizou suas primeiras vendas 100% virtuais nesse período, em parceria com a construtora GT Building, a empresa realiza a demonstração completa do imóvel através do Google Meets com uma ferramenta de tour virtual 3D que permite ao consumidor ter uma experiência realista da visitação do imóvel. Essa tecnologia permite uma visão detalhada dos materiais e acabamentos.

imobiliaria_RPC_deolho

A assinatura de contrato era um dos processos mais burocráticos no fechamento de um negócio imobiliário. As imobiliárias se agilizaram para implantar a assinatura eletrônica de contratos. Além de eliminar a necessidade das idas ao cartório, as ferramentas de assinatura digital permitem que o cliente possa fechar o negócio de qualquer lugar através do seu computador ou smartphone.

Neste momento em que estamos começando o relaxamento das medidas de distanciamento, as imobiliárias estão se adaptando para as novas necessidades de medidas de segurança à saúde. Mesmo após a reabertura dos plantões imobiliários, os corretores seguem atendendo os clientes mais idosos apenas por ferramentas de vídeo conferência. O atendimento nas imobiliárias e nos locais de plantão está sendo feito com horários agendados, com menos corretores e um cliente por vez. Além das medidas básicas de fornecer álcool em gel e exigir o uso de máscaras, os clientes ganham uma capa descartável para os calçados para a visita presencial aos imóveis.

Busca informações, insights ou soluções de comunicação no Paraná? Fale com a gente: informações@rpc.com.br.

Artigos relacionados

0 respostas para “Mercado imobiliário do Paraná dá os primeiros sinais de recuperação”

Deixe uma resposta