Menu Busca

Economia e Setores

Novos hábitos impulsionam crescimento do setor de material de construção

Passando mais tempo dentro de casa, consumidor passou a se preocupar mais com consertos, reformas e mudança de decoração

Nos últimos meses, vimos nossa rotina e hábitos serem transformados. Uma das principais mudanças foi a relação com a casa. Com as pessoas passando mais tempo em seus lares, veio a certeza: a casa é o nosso refúgio. Diversos aspectos que envolvem o morar passaram a ser priorizados, o que resultou no aquecimento de alguns setores. Entre eles, o de material de construção, decoração, itens para a casa e até mesmo de plantas.

“Se antes, com a correria do dia a dia, as pessoas não ficavam muito tempo em casa ou não paravam para pensar na importância de cuidar do seu espaço, com a pandemia elas começaram a dar valor ao sentir-se bem em casa. Nosso slogan sempre foi ‘sua casa é o melhor lugar do mundo’, o que diz muito sobre esse comportamento”, observa Paulo Pulcinelli Filho, diretor executivo da Panorama Home Center, empresa da área de material de construção e produtos para casa que possui lojas nas cidades de Foz do Iguaçu, Medianeira, Santa Terezinha de Itaipu e Toledo.

Com a quarentena, muitas pessoas aproveitaram o tempo em casa para pensar em formas de deixar o espaço mais aconchegante e funcional. Para isso, investiram em consertos, reformas e decoração. Ele observa que, por mais que a casa seja nova, tem sempre algo que as pessoas gostariam de mudar. “E isso agora ficou ainda mais evidente. As pessoas dentro de casa passam a gostar mais de cuidar dela.”

Aquecimento do setor

Enquadrado como atividade essencial, o setor de varejo de material de construção se manteve aberto em quase todo o período da pandemia. “Ficamos alguns dias fechados e outros apenas por delivery. Inclusive, aqui em Foz do Iguaçu, logo no começo da quarentena tivemos uma chuva forte, o que ocasionou a demanda imediata por materiais como lona e telhas”, diz Paulo, ressaltando a importância do setor como atividade essencial. Medidas de higiene e restrições de horário foram adotadas para garantir a segurança dos colaboradores e consumidores.

material de construção Lojas da rede adotaram medidas de prevenção. Foto: Divulgação

A empresa registrou uma queda nas vendas nos meses de março e abril, mas em maio os números já começaram a subir e hoje o patamar de vendas está semelhante ao registrado em 2019. O bom resultado das vendas surpreendeu Paulo, em especial pelo fato de as lojas estarem em uma região que tem como principal atividade o turismo, um dos setores mais afetados pela pandemia. “Em Foz do Iguaçu, somos muito dependentes do turismo e da fronteira, então para nós é surpreendente que no nosso ramo o movimento esteja bom, inclusive acima do ano passado.”


Segundo pesquisa da Anamaco, 54% dos lojistas relataram aumento nas vendas no último trimestre. Foto: Divulgação

O aquecimento do setor é algo visto em todas as regiões do país. De acordo com um levantamento mensal do mês de julho feito pela Anamaco – Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), 54% dos lojistas relataram aumento nas vendas no último trimestre.

“Também fazemos parte da associação A Casa Vip, que conta com 20 empresas do segmento de material de construção de todo o Brasil. Como estamos sempre em contato, temos observado essa tendência no setor, com um comportamento semelhante do consumidor em todo o país”, ressalta Paulo Pulcinelli.

Entidades de classe ganham força 

Sobre a participação na associação, Paulo frisa a importância de entidades de classe, especialmente durante esse período da pandemia. “É um grupo em que todos estamos focados em crescimento, desenvolvimento, melhoria de gestão e procedimentos. É uma troca muito importante e mais ainda nesse período onde enfrentamos uma situação totalmente inesperada.” Ele cita também a importância da comunicação e dessa troca de experiências. “Toda semana estamos fazendo uma live com representantes da indústria, do varejo, além de pessoas mais técnicas. Isso tem sido muito importante.”

Futuro do setor de material de construção

material de construção Matriz da Panorama Home Center, em Foz do Iguaçu. Foto: Divulgação

As perspectivas são positivas para o segmento. A expectativa é que esse novo comportamento do consumidor continue. E que os novos hábitos adquiridos sejam incorporados à rotina do pós-pandemia. “O perfil do consumidor está sempre mudando e buscamos entender isso. A questão da valorização da casa é algo que deve continuar. E não apenas como espaço de convívio e lazer, mas também como home office. As pessoas e empresas se surpreenderam com a produtividade do trabalho de casa. Então essa é mais uma tendência que veio para ficar. Com isso, seguiremos passando mais tempo dentro de casa.”

Outra demanda dos consumidores é a venda por canais digitais. “No caso do material de construção, acho que as lojas físicas seguirão sendo necessárias, já que muitas pessoas gostam de ver os produtos antes de comprar. Mas é importante oferecermos essa possibilidade e facilidade da compra online, seja pelo site ou aplicativo. Assim o consumidor pode, por exemplo, ver o produto na loja e depois comprá-lo de casa.”

Multicanal

Por isso, a empresa trabalha com a estratégia multicanal, investindo tanto na melhoria das lojas físicas quanto no digital. “Temos que estar com as duas possibilidades bem preparadas. A loja precisa estar sempre higienizada, agradável, o acesso à mercadoria precisa ser fácil. Além disso, ele frisa que os atendentes devem ser sempre solícitos, já que aquilo que eles vendem para o cliente é a realização de seu sonho. “É algo que o consumidor vai lembrar para sempre.”

Para os próximos meses, a expectativa é o aumento ainda maior das vendas. “A tendência do setor é de crescimento. Conseguimos um bom patamar de vendas mesmo com a pandemia. Então, depois, com a volta dos outros setores, temos tudo para crescer ainda mais. A tendência é só aumentar”, diz Paulo.

Comunicação

Durante a quarentena, a empresa manteve os investimentos em comunicação, seja nas redes sociais como em campanhas publicitárias em televisão e no meio digital. “Consideramos a TV um canal ainda muito forte e sempre investimos em camapanhas de televisão, desde o começo da empresa”, diz Paulo.

Uma ação de sucesso da empresa foi a campanha que tinha como mote a perspectiva da casa durante a pandemia. “Colocamos a casa para agradecer aos donos pelo cuidado e carinho nesse período. Foi algo que ficou muito bacana e que deu resultado.”

Grupo Panorama

A rede Panorama Home Center conta com 10 lojas na região Oeste do estado, e faz parte do grupo Panorama, que tem 27 anos de tradição. Conta com a Construtora Pulcinelli, e também como uma franquia da Portobello Shop Foz. “É uma empresa familiar, e hoje tenho três filhos como sócios e trabalhando na administração das lojas. Além disso, contamos com uma equipe de cerca de 500 colaboradores.”

Segundo uma pesquisa da Anamaco – Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção, feita com as 500 maiores indústrias do setor, a Panorama foi apontada como a mais relevante da região Oeste, a quarta do estado do Paraná e a 34ª em todo o país.

material de construção Centro de distibuição, em Foz do Iguaçu, conta com cerca de 200 colaboradores. Foto: Divulgação

 

 

 

 

Quer ficar por dentro das novidades do setor? Assine nossa newsletter!

 

Leia no G1:

Construção civil se destaca como atividade essencial na pandemia

 

 

 

 

 

Artigos relacionados

0 respostas para “Novos hábitos impulsionam crescimento do setor de material de construção”

Deixe uma resposta