Menu Busca

Economia e Setores

Indústria paranaense deve investir mais em 2022, aponta FIEP

Apesar do otimismo com dados de 2021, presidente da FIEP prega cautela no restante do ano; Caldo Bom deve crescer 20% com nova linha de produtos.

Pouco a pouco, as inseguranças e temores que a pandemia da Covid-19 trouxe para a indústria paranaense vão ficando para trás. E há alguns dados que sinalizam, mais que a melhora da situação pandêmica, um reaquecimento do setor.

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), a indústria fechou 2021 com o maior percentual de crescimento de sua produção em um período de 10 anos: uma alta de 9% no volume produzido.

E, conforme levantamento do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), a indústria foi o setor da economia que mais contribuiu para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná em 2021: 8,52% da composição.

Comparação com 2020 e menos contratações

Apesar dos sinais otimistas, o presidente da FIEP, Carlos Valter Martins Pedro, sinaliza que é necessário estar atento ao observar esses dados. Isso porque, em parte, esse aumento expressivo vem em decorrência de uma base de comparação atípica: em 2020, a produção industrial do estado teve queda de -2,5%.

“O segundo fator é que, nos últimos meses, o ritmo de expansão vem diminuindo”, pondera. “Desde o quarto trimestre do ano passado, o setor praticamente atingiu a normalidade após as perdas iniciais causadas pela pandemia. Agora, vem mantendo as operações numa situação de maior acomodação. Isso se refletiu nos primeiros dados de 2022. No acumulado do primeiro bimestre, houve queda de -2,7% na produção em relação ao mesmo período de 2021”.

Essa desaceleração também é sentida na geração de empregos: em fevereiro de 2022, o segmento gerou 3.264 novos postos de trabalho, um número importante, mas 65% menor do que o do mesmo mês de 2021.

Setor de alimentos oscila, mas ainda representa 1/3 do PIB do PR

O setor de alimentos – um dos mais importantes para a indústria do Paraná, representando de 30% a 33% do PIB Industrial do estado – também sofreu com as oscilações geradas pela pandemia.

Em 2020, teve alta de 9,5% em sua produção, praticamente sustentando o resultado da indústria estadual que, embora negativo, foi o segundo melhor do país naquele ano.

Já em 2021, o setor de alimentos fechou com queda de -6%. Esta redução no ano passado está atrelada ao aumento expressivo nos custos de produção do segmento, que atinge a indústria como um todo, mas que é mais sensível em algumas atividades.

“Além disso, houve redução nas vendas dos produtos alimentícios no mercado interno, em boa medida por causa do aumento da inflação”, complementa Pedro. “Com o preço mais alto dos alimentos nos supermercados, as famílias reduzem o consumo, substituindo produtos por itens mais baratos que se ajustam ao orçamento mais apertado”.

Perspectivas de investimentos

A indústria paranaense começou 2022 com sinais de que se manterá convicta no reaquecimento do mercado brasileiro. A Sondagem Industrial, pesquisa divulgada pela Fiep em dezembro, mostrava que 68,7% dos empresários do setor estavam otimistas para este ano, sendo que 73% deles tinham planos de realizar investimentos em suas indústrias.

Isso, é claro, foi antes do início do conflito no Leste Europeu, envolvendo Rússia e Ucrânia, que agravou a condição da taxa de inflação no Brasil, que chegou ao seu maior índice desde 1994. “Apesar desse contexto, ainda acreditamos que o ano pode ser positivo para a indústria do Paraná”, avalia Pedro.

Setores em alta

Conforme dados de fevereiro divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE), no período dos 12 meses anteriores, os setores que registravam maiores crescimento em sua produção eram os de máquinas e equipamentos (44,8%), automotivo (28,6%), madeira (20,5%), bebidas (11,5%) e produtos de metal (10,4%).

Um dos destaques é o automotivo, que está entre os mais representativos da nossa indústria e que foi altamente prejudicado pela pandemia, mas que gradualmente vem se recuperando, com perspectivas de seguir em alta em 2022, especialmente pela produção de caminhões.

“A indústria atravessa um momento extremamente desafiador, principalmente pelos excessivos aumentos de custos que vêm sendo observados nos últimos meses. Tudo isso coloca o setor em um cenário difícil e torna as decisões dos empresários muito complexas. Cada indústria e cada empresário vai ter que tomar essas decisões em relação a seus negócios, dentro de suas possibilidades e visão de mercado. O importante é ter em mente que essas crises passam e as indústrias ficam. Mesmo com todos esses desafios, acreditamos na força e na diversificação da indústria paranaense para, em breve, não apenas retomar o ritmo de produção anterior à pandemia como superá-lo, gerando ainda mais empregos, renda e desenvolvimento para o Paraná”.

 

Caldo Bom deve crescer 20% em 2022 com nova linha de produtos

O setor de alimentos paranaense, apesar dos desafios, traz alguns cases de sucesso e crescimento mesmo em meio à pandemia. É o caso da Caldo Bom: após um crescimento de 20% em 2021, a empresa espera repetir o feito neste ano. E já está no caminho para isso.

“O último trimestre demonstrou um aumento de confiança do consumidor com relação a compras”, afirma Matheus Stival, Head de Operações da Caldo Bom. “Dessa forma, entendemos que o início de ano vem sendo desafiador, mas igualmente positivo”.

“A Vapor Caldo Bom”

A marca iniciou 2022 com um dos seus maiores lançamentos dos últimos anos: a linha “A Vapor Caldo Bom”. São produtos prontos para consumo, cozidos e esterilizados a vapor, sem adição de conservantes e que não precisam de refrigeração.

A empresa investiu na construção de uma nova planta para abrigar a produção dessa linha e tem mais lançamentos previstos, tanto para esta, como em outras linhas para os próximos meses do ano.

“Com um sinal de chegada ao final da pandemia, a expectativa é de uma retomada na confiança do consumidor, mas também sabendo que temos um ano bastante importante, de eleições e recuperação da economia pós pandemia”, diz Stival.

Ações promocionais

A Caldo Bom também fará duas grandes ações promocionais durante o ano, sendo a primeira a campanha “São João Caldo Bom tem prêmio de montão”, focada na retomada da realização das famosas festas juninas, e uma segunda ação durante a Copa do Mundo.

“Temos sentido um ar mais confiante no meio empresarial. Após dois anos duros para vários segmentos, é hora de darmos a volta e retomarmos o crescimento das empresas do estado que é um dos mais importantes do país em termos de produção industrial. Acreditamos que novos tempos estão chegando e serão bastante positivos para a retomada dos negócios”.

 

Quais as perspectivas do seu negócio para o restante do ano? Compartilhe conosco e saiba como a Negócios RPC pode te ajudar!

 

Leia mais:

Mercosuper 2022: Senff, SEPAC, La Violetera, Premisse e Triunfo projetam ano com otimismo

Artigos relacionados

0 respostas para “Indústria paranaense deve investir mais em 2022, aponta FIEP”

Deixe uma resposta