Menu Busca

Economia e Setores

O show não pode parar: mercado de entretenimento está otimista

Todo mundo merece um pouco de lazer e diversão. Por isso o mercado de entretenimento segue investindo em shows e novidades: o momento é de enfrentar desafios e criar oportunidades, segundo Mac Solek da Prime Eventos. Confira o depoimento de Solek e de outros profissionais do segmento.

A indústria do entretenimento é o terceiro maior mercado do mundo. Nela se concentram diversos nichos – cinema, teatro, televisão, internet, games, esporte, música – dedicados à satisfação social, momentos de lazer, diversão e bem estar. Não é exagero dizer que a rotina contemporânea só se sustenta e se renova com estes momentos. Afinal, como sobreviver ao estresse diário sem algumas horas de relaxamento diante da telinha? Sem uma programação descontraída para o fim de semana?

É por isto que, mesmo afetadas pela recessão econômica, a oferta e a demanda por entretenimento – desacelerada em alguns aspectos, destacada em outros – se mantém como uma necessidade. Cabe aos diferentes segmentos saber oportunizar os efeitos da crise e otimizar seus desempenhos diante dela.

O setor de entretenimento é acostumado a gerar resultados positivos. Segundo dados do PwC, em 2014 o setor movimentou US$ 42 bilhões e carrega para os próximos cinco anos uma expectativa de 10,2% de crescimento. A estimativa é que em 2019 esta indústria alcance um faturamento de aproximadamente US$ 69 bilhões. Dentro deste cenário, é uma unanimidade afirmar que a música – shows e festivais – é o nicho de maior destaque e rentabilidade.

Segundo o presidente da ABRAPE, Carlos Alberto Xaulim, segmento de eventos é o mais movimentado da indústria do entretenimento
Segundo Carlos Alberto Xaolim, segmento de eventos é o mais movimentado da indústria do entretenimento

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Promotores de Eventos( ABRAPE), Carlos Alberto Xaolim, o segmento musical é responsável pela maior concentração de público e eventos da indústria do entretenimento. “Shows e festivais são as atrações que geram maior volume de pessoas, acontecimentos e rentabilidade. O setor tem uma movimentação econômica bastante expressiva: gera empregos, renda e aquece economias locais. Um show de médio porte emprega entre 200, 300 pessoas. A partir disto, e sem mencionar grandes eventos ou festivais, dá para calcular os impactos positivos que traz à economia”, destaca Xaolim.

Para o presidente, outra característica interessante do universo da música é a velocidade de sua capacidade de resposta: “O show business é uma atividade que traz retornos muito rápidos. O ciclo de maturação é diferente e muito mais veloz do que o de outros segmentos. É um mercado de riscos, que oferta produtos perecíveis e demanda muito planejamento e conhecimento, mas no qual vale a pena investir”.

O mercado do entretenimento musical em Curitiba

Produtor e superintendente da Fundação Cultural de Curitiba, Igor Cordeiro percebe um movimento de ascensão no setor local: “Vejo um franco avanço. Existe hoje um aumento significativo no número de empresas dedicadas a eventos na capital paranaense. Não é para menos, uma vez que este mercado está entre os maiores consumidores do mundo”. A cidade recebe, em média, quatro festivais de música por mês e usufrui dos benefícios econômicos desta atividade.

Igor Cordeiro vê com otimismo o atual momento da indústria de entretenimento musical e aposta no crescimento do setor em Curitiba
Igor Cordeiro vê com otimismo o atual momento da indústria de entretenimento musical e aposta no crescimento do setor em Curitiba

“Estes festivais têm um papel muito significativo para os locais em que estão inseridos. É um eixo cultural muito produtivo e prolífero, que gera bons faturamentos, emprego e renda – inclusive para outros setores, como o alimentício. Curitiba ainda não conquistou a relevância que merece no cenário nacional do entretenimento musical, mas o retorno da Pedreira Paulo Leminski é um ponto muito favorável ao nosso desenvolvimento na área. Ela será um grande indutor de prosperidade do setor no Paraná”, afirma Igor.

O produtor ainda aponta outro campo atrativo dentro da produção de eventos, a possibilidade de adesão de grandes marcas: “A participação e a interação de empresas nestes eventos é o mercado do futuro. As marcas já perceberam o quanto podem lucrar ao se vincularem ao entretenimento, pois este setor oferece uma excelente forma de relacionamento e experimentação junto ao consumidor. É outro aspecto muito promissor, mas ainda em fase inicial”.

Por que consumir música? 

RPC Setor de entretenimento musica

A música é uma linguagem universal, capaz de estabelecer comunicação com qualquer público. Ela tem um poder único no mundo das artes – e no do entretenimento – de “acalentar a alma”, nas palavras do diretor da Prime Eventos, Mac Solek. “O entretenimento musical está enraizado na cultura e na rotina coletiva. As pessoas querem e consomem música e fazem disto um prazer. Porém, o momento econômico impactou o comportamento dos consumidores e os tornou mais seletivos em relação à  quantidade e tipos de eventos em que vão investir”, analisa.

Diretor da Prime Eventos, Mac Solek viu a rentabilidade de seu negócio cair, mas apostou num reposicionamento de marca e em mais investimentos para contornar a crise
Diretor da Prime Eventos, Mac Solek  aposta num reposicionamento de marca e em mais investimentos para contornar a crise

Para Solek, acostumado a produzir uma média de 100 shows ao ano, o período é de retração, mas jamais de desânimo: “O nosso faturamento caiu em 2015 e tivemos uma diminuição de 30% no nosso público. Porém, acredito que o momento pede estratégias mais agressivas. Dobramos os nossos investimentos em relação ao ano passado. Estamos apostando mais em publicidade, contratando mais shows, organizando mais eventos. A crise econômica vai passar e queremos nos manter firmes, e até mais fortes, no mercado. É importante manter o otimismo e saber criar oportunidades independente do cenário”.

E esta é uma lição importante não apenas para a indústria do entretenimento, mas para todos os segmentos: um posicionamento assertivo garante a lembrança da marca no futuro e sua solidificação econômica. Vamos juntos criar soluções para este período? O setor de entretenimento já está fazendo sua parte e buscando bons resultados.

Artigos relacionados

4 respostas para “O show não pode parar: mercado de entretenimento está otimista”

  1. Bia says:

    Quem é o autor deste texto?

Deixe uma resposta