Menu Busca

Economia e Setores

Royal Canin: exemplo de negócios e inspiração para o mercado veterinário

Segundo o IBGE, dos 65 milhões de domicílios do nosso país, 44% possuem pelo menos um cachorro e 17% pelo menos um gato. Também somos o 4º país em população total de animais de estimação. Os números são expressivos e o segmento pet movimenta um grande mercado. Conversamos com Gláucia Gigli, gerente de marketing na Royal Canin, para entender melhor o setor. A marca também é um case para inspirar empresários do nosso estado.

Nos últimos anos, cães e gatos ganharam status de membro da família. Ter um animal de estimação em casa estimula o convívio social, traz mais felicidade e melhora a nossa saúde. Não à toa o mercado veterinário é bastante promissor e cresce significativamente por aqui. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINPET), o mercado pet representa 0,38% do PIB brasileiro e está à frente dos setores de geladeiras e freezers, componentes eletrônicos e produtos de beleza.

Para falar sobre o segmento, conversamos com Gláucia Gigli, gerente de marketing do pilar veterinário da Royal Canin. Ela nos conta um pouco mais sobre o posicionamento da marca, relacionamento com seus públicos e também explica porque o Paraná é um estado bastante importante para o setor. Vamos juntos conferir?

Segmentação de produtos é diferencial de marca

Focada na produção de alimentos para cães e gatos, a Royal Canin é a principal marca de alimentos superpremium no Brasil. Sabe como a empresa tem acompanhado rapidamente todas as mudanças? Com especialização.

“Temos uma grande preocupação com a saúde e o bem estar dos pets. Diferente de algumas tendências de mercado, estamos sempre em busca daquilo que é melhor para os animais. Com precisão nutricional e conhecimento, embasamos nossa estratégia de mercado para fazer da Royal Canin a marca que é hoje”, inicia Gláucia. “Nossa linha de alimentos tem mais de 150 produtos. Cada um foi desenvolvido para atender necessidades específicas, determinadas pela raça, porte do animal, sexo, idade, peso, particularidades de saúde, entre outros pontos”, destaca.

Uma pesquisa recente feita pela CVA Solutions apontou que a Royal Canin é a marca mais recomendada pelos veterinários. Para dar ainda mais força à parceria com os profissionais da área, boa parte da estratégia de negócios é focada no relacionamento com estes stakeholders, como explica Gláucia: “a empresa foi fundada na França por um médico veterinário, então este é um público essencial para nós. Sabemos que o veterinário é o principal influenciador da compra, é quem dá a orientação para o tutor do animal”.

Além do investimento constante em produtos especializados, a Royal Canin faz questão de compartilhar conhecimento e informação com profissionais da área, sem deixar de envolver os tutores dos pets: “nosso objetivo também é conscientizar as pessoas sobre a escolha de alimentos de qualidade e mostrar os diferenciais da marca, um ponto muito importante para garantir a saúde de cães e gatos”, destaca a gerente de marketing do segmento veterinário da marca.

Boas apostas para o mercado pet

De olho no consumidor final, a empresa tem feito pesquisas constantes para identificar o perfil do público e estreitar o relacionamento com consumidores: “isto ainda é bastante recente para nós, estamos coletando dados para podermos falar com estas pessoas. Percebemos que o mercado de gatos, por exemplo, está em franca expansão: hoje são 22 milhões de gatos no Brasil e a previsão é que em 2020 chegue a 40 milhões. Por ser um animal com perfil mais complexo, a demanda por informação e produtos específicos tem crescido muito”, indica Gláucia Gigli.

Outra tendência identificada pela Royal Canin está no desenvolvimento do mercado de produtos para cães de pequeno porte, comportamento que tem relação direta com o estilo de vida do consumidor. Com mais gente morando em apartamentos, cães pequenos têm se tornado a preferência das famílias que têm pouco espaço para criar bichinhos de estimação.

Veja alguns dados do IBGE – IBOPE Inteligência sobre o número de animais de estimação:

(reprodução- MARS INCORPORATED)

Paraná: boas expectativas para o segmento veterinário

O faturamento do setor mostra que as apostas são certeiras. Em 2016, o mercado pet nacional faturou R$ 18,9 bilhões; um crescimento de 4,9% em relação a 2015. O Paraná é um estado com grande potencial para contribuir ainda mais com estes números.

Gláucia Gigli destaca que nosso estado tem características bastante positivas para o segmento: “O Paraná é bem importante para o nosso mercado. O perfil da população contribui para isso. São pessoas com bastante cultura, bom poder aquisitivo e que buscam produtos de qualidade; que é nossa marca registrada. Além disso é um estado muito rico, com muitas clínicas veterinárias, crescimento no setor de pet shops e excelentes profissionais de área de saúde veterinária”, finaliza.

Dia 9 de setembro é Dia do Veterinário. Vamos juntos movimentar o segmento pet? #DeOlhoNoMercadoRPC

Artigos relacionados

0 respostas para “Royal Canin: exemplo de negócios e inspiração para o mercado veterinário”

Deixe uma resposta