Menu Busca

Economia e Setores

UniCesumar chega aos 30 anos com título de universidade e nota máxima na avaliação do MEC

Embarque com a gente em uma viagem pela história da UniCesumar contada pelo reitor da universidade, Wilson de Matos Silva

No caos também existe esperança. Se com a pandemia a humanidade se esforça para acreditar em dias melhores, nada melhor do que inspirar essa corrente de otimismo com uma história de sucesso paranaense chamada UniCesumar.

A instituição de ensino maringaense conquistou em fevereiro o título de universidade pelo Conselho Nacional de Educação (CNAE). Agora, assume o nome de Universidade Cesumar – UniCesumar

O que quase não se sabe, porém, é da longa jornada para chegar ao posto de quarta maior universidade do Brasil e oitavo maior grupo educacional do paísCom quase 260 mil alunos atualmente, a UniCesumar teve muito planejamento e trabalho até chegar onde está hoje.

UniCesumar, quarta melhor universidade do Brasil e oitavo maior grupo educacional do país. Crédito: Divulgação.
UniCesumar, quarta melhor universidade do Brasil e oitavo maior grupo educacional do país. Crédito: Divulgação.

Tudo começou em 1987, quando os fundadores tiveram o sonho de criar a primeira instituição de ensino privado de Maringá (PR). Um desafio que pareceu ainda maior quando o prefeito da época cedeu o espaço de um antigo lixão para a construção.

Na época, a burocracia para criar uma instituição de ensino superior privada e o pouco incentivo à expansão das universidades tornavam o cenário pouco favorável. Mas, movidos por um sonho em comum, os fundadores da UniCesumar não desistiram.

“Os desafios foram enormes para vencer as crises econômicas da década de 1990, as barreiras do MEC, o não-interesse na expansão do ensino privado. Mas nós não desistimos. O que não se pode é desistir. É preciso ter sonhos e lutar por eles.”Reitor da UniCesumar, Wilson de Matos Silva

Wilson de Matos Silva conta que a instituição de ensino começou com 48 mil m² . Com muita dedicação, hoje chega a mais de 500 mil m² de campos universitários e mais de 150 mil m² de área construída. “Chegamos, inclusive, à fantástica meta de formar mais de 100 mil profissionais”, comemora.

Para descobrir os bastidores dessa história e o que impulsionou a trajetória da UniCesumar, que completa 30 anos este ano, entrevistamos o reitor da universidade. Confira!

No prefácio do livro que conta a sua trajetória, Augusto Cury diz que você é um “vendedor de sonhos que transforma caos em oportunidade”. A que atribui esse prestigioso título e como se alinha à missão da UniCesumar?

Eu acredito que quando o ser humano tem sonhos e coloca toda a força de sua alma neles, o universo conspira em seu favor. Todo o ser humano sonha, mas é preciso sonhar e colocar em prática, ter disciplina e metas. Porque muitos sonham vagamente e não chegam a lugar nenhum, caminhando sempre pela mesma rota e esperando resultados diferentes.

Um dos nossos sonhos foi fundar uma instituição de ensino em Maringá e começamos em um lugar que era um caos: o antigo lixão da cidade. Foi o que o prefeito da época nos ofereceu, em 1987. Então, nós começamos a transformar esse lixão em um espaço do saber, do conhecimento.

Continuamos no espaço em que antes era o lixão, mas com o tempo conquistamos muito mais espaço. Começamos com 48 mil m² e hoje temos mais de 500 mil m² de campos universitários, mais de 150 mil m² de áreas construídas e chegamos à meta fantástica de mais de 100 mil profissionais formados.

Câmpus da UniCesumar em Maringá (PR). Crédito: Divulgação.
Câmpus da UniCesumar em Maringá (PR). Crédito: Divulgação.

Quais foram os principais desafios iniciais na criação da UniCesumar em 1990?

Até a década de 1990, havia um descrédito muito grande ao ensino privado brasileiro. Existiam pouquíssimas instituições, a burocracia era muito grande e, em média, elas não eram de boa qualidade. Por isso, o governo travava o desenvolvimento da educação superior privada. 

Entendo que o governo precisa liberar e avaliar o “produto”, para conferir se a instituição cumpriu com a missão de ser agente de mudança e de transformação. Mas a burocracia estatal era muito grande. 

Naquela época só podia começar com dois cursos no projeto inicial enviado ao MEC, que podia levar até quatro ou cinco anos para dizer sim ou não. Mesmo assim, nós não desanimamos. Por meio do nosso esforço e dedicação precisamos tornar possível o impossível.

Em 1996, surgiu uma nova legislação, chamada Nova LDB [Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional], que facilitou um pouco o trâmite desses projetos. Então, pudemos expandir.

No início de sua história, a UniCesumar contava apenas com a oferta de dois cursos de graduação para 180 alunos. Quais foram os principais aprendizados de lá para cá?

“Primeiro, nós tivemos que ser disruptivos e romper com a burocracia, indo à luta para valer. Existe uma métrica que diz que uma empresa que cresce mais de 1000% em dez anos é insurgente. Ou seja, se insurge daquilo que é o básico para crescer. E só cresce quem oferece o melhor produto para a comunidade. Esse produto é um bem maior, que transforma uma pessoa, a prepara para ter dignidade, sucesso, vencer na vida, ter melhores ganhos e contribuir com o desenvolvimento de uma nação. É um produto fantástico e vale a pena lutar por ele, fazê-lo bem feito”.

Quando surgiu a ideia de oferecer o ensino à distância?

Eu tinha um pouco de dificuldade em lidar com essa possibilidade, porque no presencial nós já temos um esforço muito grande para fazer o aluno ter compromisso com o conhecimento. Como a escola básica brasileira é muito fraca, muitas vezes o aluno chega à universidade sem ter aprendido a aprender.

Olhei para o futuro e comecei a entender que o uso do digital para a educação poderia crescer no mundo. Foi aí que, em 2004, nós montamos o projeto para pedir a autorização ao MEC, que saiu em 2006, e nós começamos. 

Tínhamos, na época, aproximadamente 5 mil alunos no ensino presencial e começamos o EAD com 56 polos e em torno de 300 alunos. Depois de muito esforço e muita luta, nós conseguimos consolidar um ensino a distância de qualidade no mesmo padrão de um bom ensino presencial. 

Em alguns momentos, tiramos nota máxima no Enade, a avaliação que o MEC faz ao final dos cursos, tanto no presencial, quanto no EAD. Isso, globalmente, tem nos dado um conceito excelente na qualidade de ensino. Temos Conceito Institucional 5, nota máxima no MEC, e a avaliação das provas feitas pelos alunos ao final dos cursos nos coloca entre 4% das melhores instituições de ensino do Brasil.

A UniCesumar chega aos 30 anos como um dos 10 maiores grupos educacionais do Brasil. Quais os principais marcos dessa história de sucesso?

Meus desafios foram enormes para vencer as crises econômicas da década de 1990, as barreiras do MEC, o não-interesse na expansão do ensino privado. Mas nós não desistimos. O que não se pode é desistir. É preciso ter sonhos e lutar por eles. 

Nós começamos com 180 alunos e chegamos, agora em 2020, a quase 260 mil alunos. Temos quatro campi presenciais em Maringá, Londrina, Curitiba e Ponta Grossa. Estamos implantando também em Campo Grande e Corumbá, no Mato Grosso do Sul, que terá o curso de Medicina. 

Em 2002, conseguimos nos transformar em Centro Universitário, o que foi um grande avanço, pois o centro universitário tem autonomia de criar cursos, vagas etc. Em 2006, conseguimos implantar e dominar as plataformas de qualidade para o ensino a distância. Em 2011, nós conseguimos o curso de Medicina e hoje temos 300 vagas, sendo um dos maiores cursos do país. 

Outro grande salto foi quando decidimos implantar campi fora da sede, junto à constante expansão do EAD. Demoramos dez anos para ter autorização para ampliar a quantidade de polos, mas, quando tivemos essa autorização, ampliamos muito.

Hoje já temos em torno de 800 polos de ensino a distância em todo o país, com alunos tendo aulas produzidas aqui na sede e provas com fiscais, bem como livros para todos os alunos. E temos em torno de 4 mil colaboradores para dar conta dessa tarefa gratificante de formar pessoas em um país tão carente de competências e habilidades.

Qual a importância da universidade para o desenvolvimento da região de Maringá?

Sem dúvida, a única alavanca para promover o desenvolvimento econômico e social é o conhecimento. Maringá se tornou uma cidade universitária fantástica. Nós criamos os mestrados e os doutorados, com pesquisas inovadoras em todas as áreas e serviços à comunidade. 

Oferecemos atendimento amplo e gratuito por meio de nossas clínicas, cessão de todos os auditórios e pátios, para que a comunidade use abundantemente os nossos espaços nos fins de semana e feriados. Não cobramos taxa para isso.

Mas, de fato, nossa essência é a capacitação. A formação de cérebros desenvolvidos para promover o desenvolvimento da nossa cidade, nosso Paraná e nosso Brasil.

E para a promoção de um ensino superior de qualidade no Brasil, considerando que em 2019 conquistou nota máxima na avaliação do Ministério da Educação?

Poucas instituições conseguiram ter o ritmo que nós tivemos, no crescimento quantitativo e qualitativo. Embora sejam dois grandes desafios, o qualitativo é maior. Entre as grandes, nós temos a melhor qualidade. 

Temos a melhor educação a distância do Brasil, dadas as avaliações feitas pelo MEC. Então, para nós é uma grande satisfação estarmos dentro desse contexto. Como universidade, nós somos a quarta maior do Brasil, e como grupo educacional, nós estamos em oitavo.

Câmpus da UniCesumar em Curitiba (PR). Crédito: Divulgação.
Câmpus da UniCesumar em Curitiba (PR). Crédito: Divulgação.

No Brasil, hoje temos atividades em mais de mil cidades, em todos os estados, além de pólos fora do país. Estendemos nossas fronteiras para Dubai, Genebra e Miami. Temos uma marca que está se tornando mundial e pretendemos continuar expandindo a UniCesumar para outros países.

Em função da pandemia, a UniCesumar passou a oferecer 70 cursos online gratuitamente para o público. Como impacta positivamente no futuro da sociedade?

O coronavírus tem sido um desafio para toda a humanidade. Gerou uma crise sem precedentes e levou todo mundo para casa. Mas a educação não pode parar e nós não paramos. Nossos 260 mil alunos continuaram com aula. 

Na modalidade a distância já estava tudo funcionando, mas na modalidade presencial, com mais de 20 mil alunos, nós tivemos que nos reinventar. Criamos novos caminhos, oferecendo aulas de forma remota, sincronizada e em tempo real. 

Na verdade, nós já estávamos trabalhando para que os professores se ajustassem ao mundo digital. Já havia um direcionamento muito forte em todas as nossas palestras e encontros. Então, nossos professores já estavam parcialmente treinados. Só que o processo de ter domínio das novas tecnologias, que iria demorar de três a cinco anos, teve que acontecer dentro de 15 dias. 

Os alunos têm manifestado grande satisfação pela manutenção do ensino e pela qualidade dessa manutenção. Foi um grande desafio, mas estamos vencendo e espero que essa crise passe o mais rápido possível para que surja a normalidade ou um chamado “novo normal”. 

Em fevereiro, a UniCesumar foi aprovada para se tornar universidade. Quais os planos para o futuro?

Nós atingimos a meta maior que é ser universidade. Agora, precisamos ser universidade, manter a qualidade e continuar expandindo para que muito mais pessoas possam ter acesso a uma instituição de qualidade conforme temos trabalhado e mantido na nossa querida UniCesumar.

São 30 anos de uma bela e linda história, transformadora de vidas.

Se sentiu inspirado em acreditar em dias melhores após a leitura deste post sobre os 30 anos da UniCesumar? Então, continue no nosso blog para ler outras histórias de sucesso e se motivar ainda mais a conquistar seus objetivos.

Leia mais

> Marcas de Maringá se unem para vencer a pandemia

> Como as agências estão ajudando os clientes a dar a volta por cima

Artigos relacionados

0 respostas para “UniCesumar chega aos 30 anos com título de universidade e nota máxima na avaliação do MEC”

Deixe uma resposta