Menu Busca

Cases

Biopark une educação, pesquisa, negócios e inovação no oeste do Paraná

Meta é ter 300 empresas instaladas em Toledo até o fim do ano e se tornar um polo do estado; investimento no local foi de mais de R$ 300 milhões

A região oeste do Paraná conta com uma importante ação para os próximos 30 anos, o Biopark. Criado a partir dos 40 anos de experiência dos empreendedores Carmen e Luiz Donaduzzi, farmacêuticos e doutores em biotecnologia, o espaço de 5 milhões de m² na cidade de Toledo serve como um propulsor da educação e inovação na região.

Com um investimento de R$ 300 milhões, a expectativa é que o Biopark gere mais de 30 mil empregos na região em até 30 anos. O local atua em três eixos principais: educação, pesquisa e negócios – além da inovação, que está intrínseca em todas as áreas.

Biopark conta com 5 milhões de m² para desenvolvimento em Toledo.

Biopark conta com 5 milhões de m² para desenvolvimento em Toledo.Já são quatro instituições de ensino atuando ali: a Universidade Federal do Paraná (UFPR); a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR); o Instituto Federal do Paraná (IFPR) e o Biopark Educação, iniciativa do próprio Parque.

Entre os projetos educacionais, destacam-se o laboratório de Biomateriais e Bioengenharia e um laboratório de queijos finos, voltado a produtores rurais da Região Oeste que queiram incrementar a renda com a produção de queijos finos de alto valor agregado.

“Quando falamos em negócios, dividem-se as frentes de atração de empresas”, conta Paulo Victor Almeida, diretor de negócios do Biopark. “Hoje, contamos com 140 negócios desenvolvendo inovações com nosso apoio”.

 

Criação foi a partir da Prati-Donaduzzi

 

A história dos fundadores do Biopark com a cidade de Toledo começou com a fundação da Prati-Donaduzzi, em 1993. Hoje, a indústria farmacêutica emprega mais de 4,5 mil pessoas na cidade e possui um grande compromisso com a população por meio de projetos sociais.

“A escolha por Toledo foi feita há muitos anos e o Biopark é mais uma forma de retribuir a acolhida da cidade, revertendo em educação de excelência e muitas oportunidades”, diz Almeida. “A atração de empresas e, consequentemente, mais pessoas para o município de Toledo representa um grande incremento econômico”.

 

Uma das prioridades do Biopark é a educação de excelência.

 

Números expressivos consolidam importância do projeto

 

Hoje, o Biopark apresenta números robustos de parceiros e investimentos que o consolidam como um dos projetos industriais mais importantes do Paraná. Ao todo, são quatro instituições de ensino (três federais) presentes no local; 140 empresas atuantes, 27 delas internacionais; mais de 400 empregos gerados e 500 estudantes. A meta é ter 300 empresas instaladas no local até dezembro deste ano.

Com 14 obras em andamento no espaço, o Biopark investiu mais R$ 20 milhões na doação de um prédio para a instalação do curso de Medicina da Universidade Federal do Paraná em Toledo.

 

Residência para empresas

 

Para gerar empregos, o Biopark atua na atração de empresas para o seu território e isso acontece principalmente por meio do Programa de Residências para Empresas: a oferta de diversos benefícios, como estrutura física sem custo de aluguel pelo período de um ano em espaços que vão desde salas exclusivas para escritórios, áreas industriais ou coworking.

Outra iniciativa recente é a Incubadora Biopark, destinada a auxiliar negócios em estágio inicial na transformação de ideias em produtos ou serviços que entreguem soluções reais para o mercado. A incubação acontece por seis meses e oferta mentorias em áreas técnicas e voltadas à gestão, além de um aporte mensal de R$ 2 mil.

 

Um dos diferenciais do Biopark é o benefício oferecido para startups que se instalam no local.

 

Fazenda inteligente e campi de startup farão parte do Biopark

 

Conforme antecipa o diretor de negócios, dois grandes  projetos do futuro no local serão a smart farm, uma fazenda inteligente que trará o que há de mais moderno e tecnológico para aplicação em propriedades rurais, e o campi de startups, uma área de 36 mil m² especialmente criada para a instalação de projetos empreendedores focados em inovação.

 

“Para nós, o Biopark tem o significado de sentido de vida e queremos que todos ganhem com a sua consolidação. As empresas que estão conosco, principalmente as pequenas e médias, têm que crescer pelo menos 100% ao ano, porque terão as ferramentas para isso”. – Paulo Victor Almeida, diretor de negócios do Biopark.

 

 

Campanha com o GRPCOM

 

Nessa empreitada, o Biopark tem o GRPCOM como parceiro em uma campanha com mídia web nos veículos do grupo. “Poder contar com a credibilidade e o alcance do GRPCOM para fazer com que todas as nossas oportunidades cheguem ao conhecimento dos paranaenses é motivo de grande orgulho para nós”, comenta Almeida. “As ações têm gerado grande impacto e nos ajudaram a concretizar importantes projetos”.

 

Que ações a sua empresa tem feito para fomentar o desenvolvimento do Paraná? Conte conosco para divulgar!

Artigos relacionados

0 respostas para “Biopark une educação, pesquisa, negócios e inovação no oeste do Paraná”

Deixe uma resposta