Menu Busca

Marketing e Comunicação

SocialHackaCom: desafio de inovação aberta com propósito

Novo projeto da RPC e do GRPCOM, o SocialHackaCom, mobiliza jovens que buscam trabalhar com propósito e impacto social positivo

 

Os chamados hackathons, ou maratonas, desafios de inovação aberta, aliam inovação, tecnologia e metodologias ágeis na busca por soluções para diferentes segmentos do mercado.  

Um dos diferenciais neste tipo de ação está no fato de que a opinião, o conhecimento e a experiência de cada participante faz a diferença no resultado final proposto pelas equipes. Criatividade e colaboração são, portanto, duas palavras-chave para enfrentar esse desafio.

Diante desse contexto e também dos desafios que vêm se apresentando na sociedade durante a pandemia, especialmente a crise no Terceiro Setor, a RPC, o Instituto GRPCOM e os outros veículos do GRUPO lançam o SocialHackaCom. Um desafio de inovação aberta, inédito no Paraná com essa temática e voltado à busca de soluções de comunicação e tecnologia para ONGs paranaenses que trarão problemas do seu cotidiano para serem resolvidos pelos hackatonistas. 

Valores do GRPCOM em foco

Na visão de Eduardo Boschetti, diretor geral da RPC, o SocialHackaCom é um projeto que carrega em sua essência os valores do grupo.

Além da inovação, que é um pilar estratégico do nosso negócio, trazemos em nossa missão e DNA a comunicação como forma de melhorar a sociedade. Por isso procuramos realizar projetos que gerem impacto e ajudem a transformar a vida das pessoas e principalmente daqueles que mais precisam. Mas, nessa jornada, não queremos seguir sozinhos. Por isso, então, convidamos parceiros, especialistas, ONGs, acadêmicos e profissionais de diversas áreas para transformar o mundo junto com a gente.”

Esse é um evento em que todas as partes envolvidas conquistam algum tipo de retorno.  Conhecimento, networking, soluções inovadoras e aumento de impacto social são apenas alguns deles. 

A programação do hackathon conta com uma semana preparatória em que grandes profissionais do mercado trazem sua experiência para os participantes, inspirando-os e os ajudando a entender a melhor forma de criar um protótipo eficiente para as instituições.  Além disso, o evento permite que os participantes façam parte do banco de talentos de um dos maiores grupos de comunicação do país.

A inovação aberta como estratégia de impacto para o negócio e para a comunidade

O mercado exige cada vez mais uma rápida adaptação às novas metodologias de trabalho. Habilidades como a criatividade, resolução de problemas, tomada de decisão e trabalho em equipe são constantemente requisitadas e valorizadas pelas empresas.

Os métodos tradicionais de gestão de projetos que envolvem processos mais verticalizados e complexos vêm sendo aos poucos substituídos por modelos mais enxutos e horizontais, como os que são propostos pela inovação aberta e pelas metodologias ágeis.

As chamadas metodologias ágeis permitem a interação entre diferentes stakeholders e o diálogo entre pessoas com repertórios plurais. Foto: Canva.

O conceito de inovação aberta foi criado por Henry Chesbrought, professor da Universidade de Berkeley, Estados Unidos. Uma das vantagens dessa metodologia é que ela permite a interação entre diferentes stakeholders e o diálogo entre pessoas com repertórios plurais. Isso possibilita encontrar soluções que agregam valor ao produto de forma rápida e eficaz, com foco na proposta do projeto e na resolução de problemas.

As chamadas metodologias ágeis são ferramentas de trabalho que focam na definição de tarefas claras, entregas bem definidas e soluções flexíveis, ou seja, que podem ser continuamente melhoradas.

Para Pâmela Marin, head da área de Pessoas e Cultura do GRPCOM, “as empresas que exercitam e fazem uso da inovação aberta como um importante pilar da sua estratégia, geram valor para o  seu negócio de forma disruptiva e descentralizada. Na inovação aberta o foco está em integrar e compartilhar conhecimento, o que permite ter ganhos para todas as partes”.

Empresas que adotam esse tipo de metodologia costumam atrair jovens das gerações millenials e Z, que buscam caminhos para equilibrar seus objetivos de trabalho com os seus propósitos de vida.

As novas gerações: carreira e propósito 

Segundo o Mapeamento sobre Empreendedorismo Social e Criativo no Brasil, desenvolvido pelo British Council em parceria com o DICE (Developing Inclusive and Creative Economies), os jovens têm preenchido espaços significativos em empresas sociais e criativas no país. Eles ocupam cerca de 22% das vagas nesse setor.

A Millenial Survey, realizada pela Deloitte, indica que a pandemia apenas reforçou nos millennials e jovens da geração Z o desejo de ajudar a impulsionar mudanças positivas em suas comunidades e em todo o mundo. Um estudo anterior da consultoria também revela que 73% dos indivíduos pertencentes a esses grupos no Brasil almejam ingressar em uma carreira que esteja vinculada a um propósito.

Nesse cenário, os desafios de inovação aberta conseguem conectar esses jovens e pensar em projetos que tragam resultado para o negócio e que possuam propósito em sua essência.

Inscrições

As inscrições para o SocialHackaCom podem ser feitas pelo site até o dia 20 de maio. Mais informações sobre o evento também serão disponibilizadas pelo canal. Lembrando que o evento acontece integralmente de forma digital.

Vamos encontrar soluções juntos? Fale com a gente

 

Leia Mais 

<<< Índice de Progresso Social (IPS) orienta ações de empresas e organizações em prol de comunidades

<<< Responsabilidade social nas empresas: o valor do investimento na comunidade

<<< RPC recebe selo de empresa comprometida com o desenvolvimento sustentável

 

Artigos relacionados

0 respostas para “SocialHackaCom: desafio de inovação aberta com propósito”

Deixe uma resposta