Menu Busca

Marketing e Comunicação

Solidariedade em foco: o papel das ações sociais das empresas para a superação dos desafios da sociedade

Adversidades e emergências no âmbito social incentivam empresas a adequarem seu planejamento e desenvolverem ações para atender à demandas da comunidade

Alguns problemas sociais como a fome, o desemprego e a diminuição da renda de muitas famílias foram intensificados no Brasil, especialmente após o início da pandemia do coronavírus, que já dura mais de um ano. Dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) indicam que, em 2020, o número de pessoas em situação de extrema pobreza dobrou no país, chegando a 12,8% da população. 

Campanha Juntos contra a fome beneficiou mais de 40 mil famílias . Imagem: divulgação.

Se por um lado é preciso atender as necessidades básicas da população que sofre com a fome e o frio, do outro, há inúmeras empresas dispostas a ajudar e desenvolver ações filantrópicas para reverter, ou, ao menos, amenizar tal situação.   

Há uma tendência de que as empresas desenvolvam ações sociais que tenham conexão com o seu negócio, porém, quando uma forte crise ou emergência social se instala, é necessário flexibilizar o planejamento e atender aqueles que mais precisam.  

RPC contra a Fome 

Com a RPC não foi diferente. Diante do cenário percebido em todo o estado e que passou a ser retratado diariamente em seus programas, a emissora lançou o Juntos Contra a Fome, em parceria com o Instituto GRPCOM, com a Tribuna do Paraná e as rádios 98FM e Mundo Livre. A campanha foi uma grande corrente do bem, envolvendo instituições e entidades do Paraná dispostas a ajudar quem estava com fome.  

 

 

 

“Por meio dessa parceria demos todo apoio e visibilidade a esse voluntariado que se uniu para levar alimento a milhares de famílias”, comenta Marcelo Dias Lopes, diretor de Programação e Produção da RPC.

 

 

 

Para ele, a emissora tem o papel de incentivar o engajamento da população em ações sociais e ressalta como a comunicação é importante para formar correntes do bem. 

Igrejas, associações e Organizações do Terceiro Setor passaram a receber um número muito grande de doações diariamente. E o resultado final foi o número recorde de 550 toneladas de alimentos arrecadados. Mais de 40 mil famílias tiveram o que comer em função de toda mobilização que a campanha causou. 

Campanha do Agasalho 

Além do Juntos Contra a Fome, o frio que tem baixado as temperaturas em todo o Paraná também motivou outra ação, a Campanha do Agasalho. A campanha, realizada em parceria com o SESC, encerra em 27 de agosto e já arrecadou até o momento mais de 680 mil peças que foram destinadas a 392 instituições paranaenses, atendendo mais de 120 mil pessoas. 

Para Anna Thaís Fuck, presidente da Associação Beneficente São Roque, as duas iniciativas são de extrema importância para o Terceiro Setor. A Instituição é uma das organizações beneficiárias das iniciativas promovidas pela RPC e parceira do Programa Impulso, do Instituto GRPCOM. 

Associação Beneficente São Roque é uma das instituições beneficiárias das campanhas de arrecadação promovidas e apoiadas pela RPC. Imagem: divulgação.

“Trabalhamos com parcerias e este tipo de campanha causa um impacto muito positivo em todos os sentidos, que somam muito no resultado do nosso trabalho. Além disso, nós da Associação São Roque nos sentimos honrados de ter nosso nome vinculado a empresas tão sérias e comprometidas, pois isso nos traz credibilidade. Somos muito gratos por tudo o que recebemos!” 

As duas iniciativas (Juntos Contra a Fome e Campanha do Agasalho) colocam em evidência nobres valores como a solidariedade e a empatia. Além disso, mobilizam toda a sociedade paranaense para pensar no bem comum e a praticar o bem.   

Solidariedade é um valor fundamental 

Um levantamento do Instituto Sivis indica que valores que permeiam uma cultura democrática, como a solidariedade, se tornaram mais perceptíveis pelo olhar dos brasileiros durante a pandemia. A pesquisa traçou diferentes cenários para o enfrentamento das adversidades que surgiram durante esse período.

Dos três cenários possíveis, o melhor foi denominado de Gralha Azul, em que a solidariedade é o valor fundamental para se viver em harmonia e justiça social. 

No cenário Gralha Azul da pesquisa do Instituto Sivis a solidariedade é um valor fundamental para superar a crise. Imagem: Instituto Sivis.

No cenário, inspirado pela ave símbolo do estado, a sociedade conseguirá combater a crise por meio da solidariedade e do engajamento coletivo. Nessa perspectiva, a sociedade se reergue de forma estruturada e rápida.  

Terceiro setor, sociedade civil, poder público e empresas precisam continuar trabalhando juntos para que o cenário Gralha Azul seja, de fato, um objetivo possível de ser alcançado. 

Que tal comunicar com propósito na RPC? Fale com a gente 

Leia mais:  

<<< Diálogo com diferentes stakeholders é uma das chaves do sucesso para projetos de responsabilidade social 

<<< Índice de Progresso Social (IPS) orienta ações de empresas e organizações em prol de comunidades 

<<< Responsabilidade social nas empresas: o valor do investimento na comunidade C

Artigos relacionados

0 respostas para “Solidariedade em foco: o papel das ações sociais das empresas para a superação dos desafios da sociedade”

Deixe uma resposta