Menu Busca

Comportamento

Política? Economia? A verdadeira crise é de credibilidade

Enquanto o país passa por uma grave crise política, é hora de refletirmos: como anda a credibilidade de marcas e empresas? Conquistar a confiança do consumidor é fundamental neste momento. Quem nos explica é Rodolfo Araújo, da Edelman Significa. Trazemos também um infográfico sobre o assunto, com base em estudo internacional que avalia vários quesitos importantes para os consumidores. Vamos juntos conferir!

A Operação Lava Jato completou dois anos na última quinta-feira (17). Da primeira até a 24º fase da operação já foram mais de 134 mandados de prisão expedidos e 93 condenações criminais que, juntas, somam 990 anos em penas. Até agora, de acordo com informações da investigação, R$ 2,9 bilhões voltaram aos cofres públicos.

Mas será que a crise que o país vive está só na política? Rodolfo Araújo, líder de Pesquisa e Métricas da Edelman Significa, explica que toda a dinâmica social, que tem se mostrado cada dia mais complexa, afeta também como a credibilidade é vista dentro das empresas. “O foco hoje está no poder público, mas somos convidados a participar da reflexão que o momento gera”, afirma.

A crise política, no fundo, só nos mostra como a credibilidade e a transparência são dois conceitos caros e fundamentais para o bom funcionamento social, principalmente para o mercado. Mas como as empresas podem agir para transmitir ao seu consumidor confiança, ética e transparência?

Rodolfo acredita que com o novo poder de diálogo do consumidor as marcas precisam avaliar não só o quanto se expõem, mas a qualidade desta exposição. “Antes bastava uma boa campanha de publicidade. Hoje o consumidor quer saber se esta marca pensa mais em lucro do que no bem estar, se trata bem seus funcionários”, conta.

Retratos Edelman Significa.Fotos: Gustavo Scatena/Imagem Paulista
Credibilidade é um dos patrimônios mais preciosos das corporações. (Foto: Gustavo Scatena/Imagem Paulista)

O cenário, no entanto, é de superexposição. Com a presença que cada vez mais engloba um mix de comunicação, as marcas precisam verdadeiramente manter um pacto de confiança com o seu público. “Isso muda a percepção de valor que fazemos de uma marca, para o bem e o para o mal. A melhor forma de se proteger de desdobramentos ruins é não praticá-los. Mas, se acontecer, se retratar e mostrar que está em busca de mudanças”, acredita Araújo.

Conte o milagre, mas não se esqueça de contar quem é o santo!

Reputação é a sua história, o que já foi construído. Confiança é uma expectativa complementar, que se alinha ao que a marca entrega. Por isso, a manutenção do relacionamento com o consumidor é algo que não se encerra. Precisa ser trabalhada sempre. “Conheço empresas fantásticas, que fazem uma entrega excelente, mas que ainda não sabem como contar ao seu consumidor como e por que fazem”, afirma Araújo.

Mensagens criativas, com presença de mídia distribuída entre os meios, podem ajudar as marcas não só contar o milagre, mas mostrar quem é o santo. “O público não deixou de ver televisão em detrimento do online. Pelo contrário. Só consome mais mídias ao mesmo tempo. Cada uma tem um papel na vida deste consumidor”, explica.

Confira alguns dados colhidos pelo Estudo global Edelman Trust Barometer 2016, da Edelman:

INFO_CREDIBILIDADE_v3

Sobre a nossa estrutura na cobertura da Lava Jato

A nossa estrutura de jornalismo de rede trabalha pautas nacionais e mergulhou na Lava Jato. Isso significa uma cobertura quase 24 horas, com a entrega de matérias para todos os nossos telejornais e também de telejornais de rede (Hora 1, Bom Dia Brasil, Jornal Hoje, Jornal Nacional e Globo News). Só as entradas nacionais somam 1.325 participações, e quase 3 mil minutos em reportagens, notas e links ao vivo. No G1 Paraná, tem uma equipe dedicada a informar todo o estado sobre cada andamento da operação e subir no site em tempo real.

Vamos acompanhar a cobertura da Operação Lava Jato. Vamos juntos trabalhar “credibilidade”!

Artigos relacionados

0 respostas para “Política? Economia? A verdadeira crise é de credibilidade”

Deixe uma resposta