Menu Busca

Economia e Setores

Case Frimesa: relação próxima e duradoura com o consumidor

Nosso Especial Agro chega ao fim hoje trazendo o case da Frimesa. São anos investindo em comunicação e relacionamento com os consumidores, num plano de ação que trouxe resultados positivos e transformou a Frimesa em uma marca de confiança. Confira na entrevista com Elis D´Alessandro, supervisora de marketing da empresa. Luiz Cornacchioni, diretor executivo da ABAG, aponta que o Brasil tem vocação para produção de alimentos. Vamos conferir.

Header_Agro

Encerramos hoje o nosso Especial Agro falando sobre marketing de alimentos e fechando com o case de uma marca que já faz parte da família paranaense: a Frimesa. Disposta a enfrentar os desafios da descomoditização, a empresa apostou em um longo caminho para conquistar os consumidores. Vem com a gente saber mais!

RPC - Especial Agro - Luiz Cornacchioni
Luiz Cornacchioni: vocação do Brasil está na produção de alimentos

O Brasil é hoje o segundo maior produtor de alimentos do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Até 2024, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o país será o líder do ranking. Ou seja, em pouco tempo o Brasil assumirá a grande responsabilidade de assegurar a nutrição contínua de, no mínimo, 30% da população mundial. “Esta é a vocação do nosso país: produção de alimentos. Precisamos assumi-la”, afirma Luiz Cornacchioni, diretor executivo da Associação Brasileira de Agronegócio (ABAG).

Em menos de 10 anos, todo o setor de alimentos do agro precisará estar preparado para assumir este compromisso. O tempo é curto, por isso é chegada a hora de alavancar estratégias de atuação que ajudem o país a virar a próxima década de forma positiva.

Marketing alimentar: consumidor final é o principal foco

Como as empresas rurais com vocação para produção alimentícia deverão se preparar? Como se posicionar frente ao público? Dentro do conceito de marketing aplicado ao agronegócio, de acordo com o pesquisador doutor Mário Otávio Batalha – autor de “Marketing & Agrobusiness: um enfoque estratégico”, existem quatro categorias que posicionam as estratégias de atuação dentro da cadeia de produção: marketing rural, agrícola, agroindustrial e alimentar.

O principal foco dos produtores precisa ser o consumidor final. Diferentemente dos produtos comoditizados, a estratégia para o setor de alimentos com valor agregado é lutar pela diferenciação do produto.

Outro ponto de atenção será distribuição e posicionamento dos estabelecimentos frente às necessidades do consumidor. Para mostrar como o marketing alimentar já funciona em diversas empresas da agroindústria alimentícia brasileira, convidamos Elis D’Alessandro, supervisora de marketing da cooperativa paranaense Frimesa. Ela nos conta como a sua marca tem buscado se posicionar junto ao seu consumidor final. Confira!

Descobrir o consumidor e ficar pertinho dele

Por Elis D’Alessandro, supervisora de marketing da Frimesa

RPC - Especial Agro - Elis D Alessandro

 A Frimesa está no mercado desde 1977, mas, para conseguir se aproximar do consumidor foi preciso um longo trabalho de marca para penetrar no mercado de alimentos. A empresa tem mais de 400 produtos derivados da carne suína e laticínios – com foco em iogurtes que são comercializados entre a região sul do país e interior de São Paulo.

Segundo Elis, a partir de 2003, a Frimesa passou a fazer pesquisas de mercado com frequência para tentar entender como o seu consumidor percebia a marca. “Nós somos vistos como uma marca amiga, que fala de forma simples; que oferece qualidade e custo benefício”.

A principal estratégia, atualmente, é utilizar comunicação com o consumidor direto no PDV. Para isso, a marca oferece um enxoval de merchandising completo. “Quando queremos conversar com o consumidor para falar sobre produtos inovadores que serão lançados e que se mostram uma oportunidade única de mercado, utilizamos as mídias de massa”, explica.

RPC - Especial Agro - Frimesa
Filme da campanha da Frimesa, focada na divulgação de um dos produtos mais importantes da marca – a linguiça – destaca a amizade e os bons momentos que a empresa pode proporcionar aos seus consumidores.

 

 

 

Ano passado, a Frimesa lançou 48 novos itens no mercado, mas a maioria era apenas uma versão diferente de um produto que já estava na linha da marca.  Elis conta uma novidade: “Vamos lançar este ano um doce leite mais concentrado, com maior valor agregado. É um produto competitivo”.

Hoje, o grande esforço da marca é aumentar sua percepção de valor junto aos consumidores. Por isso, toda a sua comunicação é pensada para falar em um tom que o remete a valores essenciais, como a amizade. “Nosso público alvo é a dona de casa. Ela é quem testa novas marcas em casa, quem vai ao supermercado, quem decide o que a família vai comer”, finaliza Elis.

Artigos relacionados

0 respostas para “Case Frimesa: relação próxima e duradoura com o consumidor”

Deixe uma resposta