Menu Busca

Economia e Setores

Tim-tim: segmento de bebidas se prepara para o fim do ano

O final do ano está próximo e o segmento de bebidas se prepara para um dos períodos de maior faturamento. Para garantir boas vendas, o foco está na entrega e no relacionamento com os clientes.

Nas festas de final de ano não pode faltar um brinde. Apesar de serem consumidos durante o ano todo, os vinhos finos e espumantes são itens obrigatórios nas comemorações de Natal e Ano Novo, representando um aumento significativo no faturamento de vendas anual das empresas do segmento de bebidas. Mas… com o atual momento de retração econômica, como as vinícolas paranaenses estão se virando? Qual é a perspectiva e, principalmente, como pretendem enfrentar a recessão para garantir boas vendas nestas datas?

Teodosio Piedahita: "o fim do ano define o balanço do nosso faturamento"
Teodosio Piedahita: “O fim do ano define o balanço do nosso faturamento”

Segundo o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), nos últimos cinco anos o Paraná se destacou entre os mercados consumidores do país. Aliado à gastronomia de qualidade da região, os vinhos finos e espumantes apresentaram forte potencial de consumo e instigaram os produtores locais.

A Famiglia Zanlorenzi Grupo Vinícola, em Campo Largo, investiu em equipamentos, pesquisas, treinamentos e mão de obra especializada para apostar no ramo dos espumantes. Hoje o grupo comercializa 10 opções diferentes da bebida e o final do ano (de setembro a dezembro) é ansiosamente aguardado. Porém, para garantir a preferência do consumidor, o trabalho de divulgação se dá o ano todo: “Neste período de alta venda, 70% dos produtos comercializados são da linha espumante. O final do ano, para nós, é o que definirá o balanço do nosso faturamento. Devido à sazonalidade do período – injeção do 13º e as festas de fim de ano – a lucratividade aumenta. Ou seja, o setor de bebidas sabe que há a elevação de consumo nesta época, a grande questão é: de quem o público vai comprar? É preciso manter durante todo o ano estratégias de relacionamento de proximidade com o nosso público para garantirmos a venda de final de ano”, explica o diretor comercial da Famiglia Zanlorenzi, Teodosio Piedahita.

Segmento diversifica estratégias para garantir vendas

Estreitar o laço com os distribuidores, comerciantes, adegas e demais consumidores é uma das técnicas do grupo, mas não é o único foco. Há outras estratégias de venda que podem garantir a sobrevivência neste momento de economia frágil, como inovar no “look” dos produtos. “O rótulo é algo primordial para o consumidor. Todos os anos, precisamos rever a imagem do nosso produto, entender o que o consumidor aprecia e seguir a tendência. Neste ano, estamos colocando no mercado o espumante Celebrare de cara nova. A embalagem é toda branca e nos inspiramos em garrafas vendidas fora do Brasil. Temos que sempre surpreender”, completa Piedahita.

Investir no rótulo é uma das estratégias para atrair os consumidores
Investir no rótulo é uma das estratégias para atrair os consumidores

Outro ponto comentado pelo diretor é a estratégia de distribuição, contando com um planejamento sólido que considera as regiões com maior fluxo de pessoas durante as comemoração de fim de ano: “Não adianta só conquistar o comerciante mantendo o relacionamento e o consumidor com inovação. É preciso cumprir a venda. Por isso, criamos estratégias de distribuição durante todo o ano, incluindo novos pontos de venda na rota e aperfeiçoando a execução da entrega no ponto de venda. Regiões litorâneas recebem um fluxo de trânsito enorme e precisamos nos precaver para evitar que os pontos de venda recebam nossa mercadoria com atraso. A entrega é a finalização da venda e não podemos falhar. Neste momento, atrasar a entrega significa perder a expansão de mercado e relacionamento conquistado durante todo o ano. Entregar com qualidade significa consolidar o mercado.”

"Estamos em um clima de crescimento no Brasil", diz o gerente de promoção do Ibravin, Diego Bertolini. (Foto: Janice Prado)
Diego Bertolini: “Estamos em clima de crescimento no Brasil” (Foto: Janice Prado)

Dados do Ibravin apresentam um cenário otimista neste setor. Enquanto de janeiro a agosto – comparado ao ano passado – houve um crescimento nos espumantes de 20% em volume, no ano passado a exportação de vinhos brasileiros aumentou 84%. Ou seja, a fase atual é uma ótima oportunidade para os produtores daqui.  O gerente de promoção do Ibravin, Diego Bertolini, explica: “Este reconhecimento externo ajudou a consolidar o produto nacional. O Paraná e o Brasil vêm crescendo muito na área de espumantes e vinhos. Tivemos uma evolução qualitativa nos últimos anos e o consumidor notou isso. Além da questão cambial atual, ele agora também já prefere comprar um espumante ou um vinho nacional ao invés de um importado, porque sabe que estará bem suprido. ”

Teodosio Piedahita reforça a importância de manter a fidelidade dos clientes: “É primordial fortalecer os vínculos conquistados. A previsão para este ano é mantermos o nosso faturamento igual ou maior ao do ano passado e acho que vamos conseguir”.

É interessante lembrar ainda que um levantamento do Sebrae em parceria com o Ibravin sobre o mercado de vinho brasileiro indicou em 2011 algumas áreas de interesse enoturístico (turismo associado ao vinho) no Paraná. Entre elas estão: Colombo, São José dos Pinhais, Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba; Bituruna, na região centro-sul do Estado; Maringá e Marialva, no noroeste; e o bairro de Santa Felicidade, em Curitiba.

Artigos relacionados

0 respostas para “Tim-tim: segmento de bebidas se prepara para o fim do ano”

Deixe uma resposta